Herbert Moraes
Herbert Moraes

Jogo sujo da Turquia enfraquece a coalizão e deixa o Estado Islâmico ainda mais forte

Comportamento de Recep Taype Erdogan vem provocando desconforto entre os países mem­bros da Otan

carta da europa.qxd

Tanques turcos tomam posição na fronteira Turquia-Síria: por enquanto, só observando

O presidente da Turquia, Recep Tayyp Erdogan, um dia desejou se tornar o líder máximo do mundo muçulmano. Mas a atual crise provocada pelo grupo extremista Estado Islâmico na fronteira de seu país, demonstrou que Er­do­gan pode ser tudo, menos uma liderança. Soldados e tanques do exército turco estão estacionados, em ci­ma de um morro, atrás de u­ma cer­ca que mais parece arame u­sado em galinheiros, a menos de 1 km de Kobani, e de lá, assistem pas­­si­vamente a tomada da cidade síria de maioria curda pelos radicais sunitas, que há três semanas cercam o lugar, estratégico para os terroristas.

A inércia da Turquia diante da ameaça é o mais puro indicativo do tipo de política cínica e calculada que vem sendo aplicada pelo governo de Recep Erdogan. Ao colocar as Forças Armadas do país bem na fronteira, mas se recusar a ajudar os vizinhos curdos-sírios, como por exemplo permitir a passagem de soldados curdos-turcos para a Síria, Erdogan não quer apenas enfraquecer os curdos. A queda de braço é na verdade com o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama. O governo turco quer garantias para entrar na guerra, e a mais difícil delas Obama não pode prometer: a queda do ditador sírio Bashar al-Assad, que o líder turco detesta.

A recusa da Turquia é uma das muitas evidências da confusão e da tensão interna que afetam diretamente o esforço de Barack Obama em estabelecer uma estratégia com os mais de 50 países que formam a coalizão internacional que tenta destruir os extremistas sunitas do Estado Islâmico.

A batalha por Kobani entrou na quarta semana, e os avanços do EI, apesar da intensificação dos bombardeios, preocupam a coalizão. Os americanos já deixaram claro que somente ataques aéreos não serão suficientes para conter os militantes islâmicos.

Presidente turco Recep Tayyp Erdogan: ele pode ser tudo,  menos uma liderança

Presidente turco Recep Tayyp Erdogan: ele pode ser tudo, menos uma liderança

Tanto os Estados Unidos co­mo os curdos e o próprio Erdo­gan concordam que forças terrestres são necessárias para interromper o grupo. Mas o presidente turco já deixou claro que só vai ajudar se os Estados Unidos apoiarem os rebeldes que lutam contra Bashar al-Assad, criando uma zona neutra ou “buffer zone” ao longo da fronteira entre a Turquia e a Síria. Sem o ataque dos aviões do regime sírio, os rebeldes poderiam então se organizar e os refugiados não teriam que invadir a Turquia como milhares já fizeram em três anos de guerra civil.

O comportamento de Recep Taype Erdogan vem provocando desconforto entre os países mem­bros da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan), da qual a Turquia faz parte. Ou­tros governos passaram a questionar se é esse o tipo de parceria que a organização pode oferecer em caso de uma guerra, principalmente esta, contra o terror.

Com o Estado Islâmico a apenas metros de suas fronteiras, a Turquia agora enfrenta o maior desafio para a sua segurança, em décadas. E a resposta do presidente Erdogan é no mínimo irresponsável e irreal. O governo de Ankara quer o impossível: ao mesmo tempo combater os terroristas, derrubar o regime ditatorial sírio e ainda impedir a autonomia curda em seu país.

Mas o dilema que vive a Tur­quia é muito maior do que imaginam seus líderes. A atual situação do país lembra bastante os tempos em que o Paquistão patrocinava o Talebã. O recrutamento de militantes para o EI se dá na Turquia. E o governo de Erdo­gan falhou ao não impedir que isso acontecesse, o que levou o país ao caminho da “paquista­nização”, em que jihadistas sunitas encontram (sem restrições) infraestrutura e miltantes para atuarem na Síria e no Iraque. Apesar de o parlamento ter votado uma moção na semana passada que autoriza o uso da força militar contra o terrorismo além das fronteiras turcas, e do próprio presidente reconhecer a ameaça, ainda falta à Turquia olhar para o próprio umbigo, e antes de exigir qualquer coisa dos que tentam ajudá-la, aceitar que grande parte da responsabilidade pelo que o Estado Islâmico é hoje foi criada por eles mesmos. E por isso, mais do que nunca, é hora de agir nem que seja para limpar a própria honra.

1 Comment threads
0 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
1 Comment authors

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

Fernando Moulin

Verdade. Ou fazem o que tem que ser feito ou estão sendo coniventes com o EI