Herbert Moraes
Herbert Moraes

A difícil missão de ser cristão na Terra Santa

Jesus é israelense ou palestino? Israel afirma que, sem dúvida, ele é um sabra (nascido em Israel); a OLP não perdeu tempo e declarou Jesus um verdadeiro palestino

Papa Francisco fará sua  primeira viagem ao Oriente Médio, passando pela  Jordânia, Palestina e Israel | Foto: Papa Francisco fará sua  primeira viagem ao Oriente Médio, passando pela  Jordânia, Palestina e Israel

Papa Francisco fará sua primeira viagem ao Oriente Médio, passando pela Jordânia, Palestina e Israel | Foto: Vaticano

Nesta semana o Papa Fran­cisco fará sua primeira viagem ao Oriente Médio. O pontífice vai passar pela Jordânia, Palestina e Israel. A expectativa da chegada de Francisco vem provocando distúrbios na região, principalmente no Estado judeu. A possibilidade de que a propriedade do prédio onde fica o Cenáculo (local onde Jesus teria realizado a Santa Ceia) ser repassado ao Vaticano causou revolta entre os judeus ortodoxos, que acreditam que no mesmo local está enterrado o Rei Davi. E foi por causa disso que a Igreja Católica teve vários de seus monumentais prédios em Jeru­sa­lém pichados com frases de intimidação e até ameaças. Os atos de vandalismo se espalharam de tal forma, que diariamente uma igreja amanhece com os muros sujos com frases como essas: “Maria é prostituta” ou “Jesus é um porco”. Há ainda ameaças, como “morte aos cristãos”. A disputa da guarda do prédio trouxe à tona outras questões que afligem muito mais a Santa Sé, principalmente o desaparecimento da população cristã do Oriente Médio.

Desde a criação do Estado de Israel em 1948, o país assumiu o título de protetor e até “salvador” da minoria cristã. Israel faz questão de lembrar aos membros dessas comunidades que pelo menos aqui os cristãos têm plena liberdade de credo e que os lugares “santos” são respeitados, o que não acontece na maioria dos países muçulmanos, onde a perseguição aos cristãos é uma realidade.

Um site palestino revelou que a população cristã da Cisjordânia, nos últimos 60 anos, decresceu. Eram 10%, e agora não chegam a 2%. Não é segredo que os líderes religiosos muçulmanos palestinos, há muitos anos, iniciaram um processo de perseguição e conversão de cristãos, o que dura até hoje. A pequena cidade de Belém, onde Jesus teria nascido, com exceção da Igreja da Natividade, em nada lembra um local cristão. As mesquitas estão por todos os lados. Belém é hoje uma cidade muçulmana.

Em Israel a situação não é diferente. Há 66 anos os cristão eram 8% da população nativa do embrionário Estado judeu. Hoje não chegam a 1%, e a razão para o declínio é praticamente a mesma: discriminação, que vai desde os atos de vandalismo e desrespeito ao completo isolamento. Tanto em Israel como na Palestina são poucos os cristãos que conseguem chegar a um cargo de confiança.

Nesse ponto o governo palestino discrimina um pouco menos, mas é possível contar nos dedos os felizardos: o porta-voz do presidente Mahmoud Abbbas, dois membros importantes dos Mi­nistérios do Trabalho e do Turismo, outros dois do comitê executivo da Organização para a Libertação da Pa­lestina (OLP) e só. Mas apesar dos números irrisórios, pelo menos o governo palestino tenta disfarçar tanta discriminação, participando de eventos importantes como a Páscoa e o Natal. Já Israel, desde a sua criação nunca teve sequer um cristão em um cargo de confiança. No parlamento há apenas dois políticos cristãos, mas de origem árabe, e devido a isso eles quase não têm representatividade. Na Palestina são oito os parlamentares cristãos. No campo diplomático os palestinos possuem cinco embaixadores de origem cristã, incluindo os de Londres e Berlim. Já Israel não tem nenhum. As árvores de natal são proibidas no parlamento israelense, e o primeiro-ministro não visita igrejas em 25 de dezembro. Na verdade Netanyahu possui uma relação estremecidada com a comunidade cristã de Israel desde o seu primeiro mandato, na década de 90, quando autorizou a construção de uma mesquita bem ao lado da Basílica da Anunciação em Nazaré. Na época até o arqui-inimigo Yasser Arafat foi contra, mas não adiantou, e o premiê deixou passar. Os cristãos de Nazaré jamais esqueceram esse episódio.

Enquanto finalizam os preparativos para a chegada do Papa, uma questão, dessa vez cômica, foi levantada entre judeus e árabes: afinal Jesus é israelense ou palestino? Israel afirma que como judeu que era, sem dúvida ele é um sabra ( nascido em Israel); a OLP não perdeu tempo e declarou Jesus um verdadeiro palestino. É mais uma disputa, que nem o Papa vai conseguir resolver.

9
Deixe um comentário

8 Comment threads
1 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
8 Comment authors
Guest

Eu achei que os cristãos em Israel eram 2%.

Luann Ítalo

Jesus nasceu na Judeia, então ele seria israelense.
não há judeus palestinos.

Rodrigo

O texto eh engana quem nao conhece a realidade. A populacao crista em Israel cresce sem parar desde a criacao do pais — eh o unico lugar do Oriente Medio onde o numero de cristaos aumenta. A porcentagem de cristaos diminuiu no pais pq judeus e muculmanos tem um crescimento demografico maior. Todos os censos demograficos do pais mostram isso.

Rodrigo

E o que ha de “comico” nesta questao? Os Evangelhos resolvem a questao: ” Depois que Jesus nasceu em Belém da Judeia, nos dias do rei Herodes, magos vindos do oriente chegaram a Jerusalém” (Mateus 2:1)

Um judeu nascido na Judeia, um dos reinos de Israel. Os palestinos dizem que ele era um muculmano, profeta de Ala….

Celio Roberto Sudatti

em primeiro lugar a arvore de natal e o dia 25 de dezembro vem do paganismo todo cristão deveria estudar melhor a historia e descobria estas coisas não so estas como outras mais

Targaryen (Blood and Fire)

Sim esses costumes vieram depois de muito tempo de miscigenação dos povos Europeus e a fusão da Europa com o Cristianismo !

Maycon Paranhos

Os Europeus entrando na conversa cria um ar de racismo. Ou seja os Europeus só ferram tudo. Nem um verdadeiro Cristão ficaria do lado dos Islâmicos eles forçaram a conversão ao Islam, hoje ser Cristão na Palestina Cisjordânia é perigo de vida, mas em Israel é seguro, mas os Falsos Judeus não gosta dos cristãos por causa dos Europeus nazistas e racistas que são ainda hoje.

CARMOSINA

Isso faz parte da retórica momentânea….o que importa é o que Deus diz e faz.

Amarildo Macedo

ISRAEL ODEIA JESUS CRISTO