Do Leitor
Do Leitor

“Tenho enormes dúvidas de que o substituto seja independente como foi Teori Zavascki”

Fabrício Valle

Tem que ser um cidadão corajoso – ou muito safado, dependendo do ponto de vista. Se a morte de Teori Zavascki não foi acidente, os responsáveis já possuem um nome para entrar no lugar dele e brecar a Operação Lava Jato. Quem dá um golpe do jeito que foi dado é capaz de tudo. Tenho enormes dúvidas que o escolhido seja independente como foi Teori. Provavelmente, teremos alguém como Gilmar Mendes ou pior. Mas vamos aguardar. [“Lista dos juristas que são mais cotados para substituir Teori Zavascki”, Jornal Opção Online]

Fabrício Valle é empresário.

“Todas as minhas fichas vão para Herman Benjamin”

Talmon Pinheiro Lima

Todas as minhas fichas para substituir Teori Zavascki vão para o ministro Herman Ben­ja­min, do STJ [Superior Tribunal de Justiça]. Jurista completo, re­digiu várias leis (por exemplo, o Código do Consu­midor), foi promotor e procurador de justiça, ou seja, tem um perfil bem próximo do de Zavascki – que era oriundo do STJ. Outras apostas seriam Heleno Torres, de São Paulo, que era o favorito quando da escolha de Luís Roberto Barroso [ministro do STF desde 2013].

Devido à premência, acredito que o presidente Michel Temer (PMDB) escolherá al­guém que já está em Brasília e que é ministro de tribunal superior. Nesse caso, têm chance os seguintes ministros do STJ: Nancy Andrighi (excelente jurista), Laurita Vaz (goiana e presidente do STJ) e Humberto Martins (vice-presidente do STJ). [“Presidente Michel Te­mer vai indicar imediatamente mi­nistro pra substituir Teori Zavascki”, Jornal Opção Online]

Talmon Pinheiro Lima é advogado.

“Vamos fazer uma vaquinha para Galvão Bueno”

Carlos César Higa

Vamos fazer uma vaquinha. Galvão Bueno é uma instituição nacional e merece nossa ajuda neste momento de dificuldade. Acho importante também uma manifestação na porta do referido banco que não se cansa de lucrar. Estou contigo, Galvão! [“Galvão Bueno deve 30 milhões a um banco. É o que diz a revista Veja”, Jornal Opção 2166, coluna “Imprensa”]

Carlos César Higa é historiador, pedagogo e mestre em História pela Universidade Federal de Goiás (UFG).

“Uma reportagem de utilidade pública”

Paulo César Veiga Jardim

Acho que a matéria ficou ótima, de utilidade pública. O jornalista Marcos Nunes Carreiro foi cuidadoso. Parabéns ao Jornal Opção pela pauta. [“Pré-diabetes, condição clínica que esconde um sério risco de saúde pública sobre o qual pouco se fala”, Jornal Opção 2167]

Paulo César Veiga Jardim é médico cardiologista.

“Com o salário que ganha da Globo, ele ainda deve?”

Luiz Augusto Sampaio

Que coisa horrível. Com o salário enorme que ele ganha da Rede Globo ainda deve tal quantia? Absurdo! Cansei-me dele e, quando o vejo na tela, mudo logo de canal. Não. Não vou contribuir. Anti­gamente eu ainda acompanhava suas locuções. Atualmente, não o suporto, pois fala outras bobagens, querendo se mostrar erudito perto de dois ou três palermas que todos sabem seus nomes – tirante o comentarista dos árbitros. Quem militou com proficiência e sabedoria nas rádios sabe o quanto é difícil acompanhar Galvão em suas transmissões plurais: futebol, motociclismo, basquetebol, ciclismo etc. Horrível!

Luiz Augusto Paranhos Sampaio é advogado e escritor.

“Clínicas populares já são alternativa ao SUS”

Rafael Macedo Mustafé

Acho uma ótima iniciativa. Mas temos de lembrar que o custo para o paciente acaba sendo maior, tendo que arcar com exames complementares e medicações. De qualquer forma, já é uma alternativa ao SUS. Aqui em São Paulo, houve uma grande proliferação dessas clínicas populares. O administrador Thomás Srougi, filho do professor de Urologia da USP [Universidade de São Paulo], dr. Miguel Srougi, montou uma rede de clínicas populares com o nome de “Dr. Consulta” e parece que está tendo sucesso, pois houve grande expansão do número de clínicas. [“Clínica de Goiânia oferece consultas médicas a R$ 100, com pagamento em até dez vezes”, Jornal Opção Online]

Rafael Macedo Mustafé é médico.

“Uma tendência, face ao péssimo atendimento da rede pública”

Antônio Macedo

Essa é uma tendência atual, face ao péssimo atendimento oferecido pelo SUS. A rede pública não funciona, por causa de má gestão, recursos insuficientes e corrupção. O grande problema para a implantação das clínicas populares são os exames complementares, internação e cirurgia. [“Clínica de Goiânia oferece consultas médicas a R$ 100, com pagamento em até dez vezes”, Jornal Opção Online]

Antônio Macedo é médico dermatologista.

Deixe um comentário