Do Leitor
Do Leitor

“Para quem fabrica placa de ‘aluga-se’ não há crise”

Arranha-céus e crises: há relação?

Arranha-céus e crises: há relação?

Leandro Tex

O editorial “Existe correlação entre arranha-céu e crises econômicas e financeiras?” (Jornal Opção 2080) traz uma tese interessante, uma “metáfora gráfica” dos arranha-céus sugerindo a crise econômica. Não tenho dados atualizados, mas somente em Goiânia, há pouco tempo, 9 mil imóveis esperavam por clientes (aluguel e venda). Uma certeza: para quem fabrica placas de aluga-se e vende-se não há crise.

Leandro Tex é corretor de imóveis.

“Brasil deveria ser um país com lotes maiores”

João Bosco de Carvalho

Eu sou leigo no assunto e aproveito para colocar uma observação um tanto longe, mas que tem algo em comum: o Brasil, em divisão de áreas de loteamentos, seguiu e segue o modelo europeu, ou seja, lotes pequenos (enquanto temos muita terra); já nos Estados Unidos os lotes são grandes, com espaço na frente, laterais e fundo. Como país emergente — e lá atrás, em início de desenvolvimento, pobres —, deveríamos ter áreas maiores que possibilitassem o plantio de hortas que ajudassem na mantença da família.

Com o passar dos séculos e os aglomerados dos centros, criou-se a necessidade de construção de arranha-céus visando à proximidade do comércio. Já hoje temos a descentralização, com a autonomia dos setores e bairros, quase que “diversos centros” nas capitais e cidades grandes. Mesmo assim, continuam a fazer loteamentos com pequenas áreas nas periferias, onde uma horta seria de grande utilidade, além de proporcionar uma qualidade de vida melhor. Na produção de automóveis, foi o inverso, temos carros enormes “tamanho EUA”, digamos. E é raro ver um carrão com mais de um ou dois passageiros.

João Bosco de Carvalho Freire é advogado.

“Se isso não for bolha, não sei como se chama”

Alberto Nery dos Santos

Um ótimo texto que deu um passeio desde a famosa bolha imobiliária até o discutido a respeito do nosso Código de Posturas. Não acredito que haja a maldição dos arranha-céus. O que existe é que os empresários da construção civil foram com muita sede ao pote e valorizaram demasiadamente as obras; o povo não tem dinheiro nem os bancos estão dispostos a emprestar porque ninguém pode ter certeza de que vai cumprir seus compromissos. Mas que a coisa está ficando feia está. Ontem mesmo um corretor me ligou dizendo que o apartamento que ele havia me mostrado há alguns meses por R$ 270 mil agora está valendo R$ 215 mil. Se isso não for bolha imobiliária, não sei como se chama.

E-mail: [email protected]

“Histórias sinistras em livro sobre o lado sujo do futebol”

bolasFrancisco Ferraz

Muito bom o livro “O Lado Sujo do Futebol — A Trama de Propinas, Negociatas e Traições Que Abalou o Esporte Mais Popular do Mundo”, resenhado por Euler de França Belém para a coluna “Imprensa” (Jornal Opção 2026)! Além da morte da amante do ex-presidente da CBF Ricardo Teixeira, têm histórias sinistras com J. Hawilla [empresário e dono da Traffic Sports], com Sandro Rosell [ex-presidente do Barcelona], com a escória engravatada cinco estrelas do mundo do futebol e com as várias offshores envolvidas. E sabe o que é melhor? Tudo documentado — o que contrasta com o padrão Veja de jornalismo (sic).

Francisco Ferraz é professor.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.