Do Leitor
Do Leitor

Cartas

“O concretismo só prolifera moscas e miasmas”

Wagner Schadeck

O concretismo é um cadáver malsão em nossas universidades. Empalhado por teorias e políticas, só prolifera moscas e miasmas. [“Apesar de ainda ser supervalorizado, Con­cretismo não passou de um fiasco”, Opção Cultural, Jornal Opção 2171]

Wagner Schadeck é tradutor, ensaísta, editor e poeta.

 

“O que esperar de um movimento que aplaudiu o ‘plano piloto’ de Brasília?”

Fabrício Tavares de Moraes

O que esperar de um movimento que aplaudiu e até utilizou em seu manifesto o “plano piloto” da arquitetura teratológica de Brasília? O concretismo é, em parte, a transposição para o domínio poético do reducionismo comunista e coubersiano de Brasília. Parabéns a Bernardo Souto, seu artigo ficou excelente.

Fabrício Tavares de Moraes é acadêmico de Literatura na Universidade de Londres.

 

“O concretismo é de uma época em que não há mais ilusões sobre a importância da arte”

Manoel Gustavo

A coisa não é tão surpreendente assim. o concretismo nunca se quis eterno, nunca padeceu desse tipo de cacoete metafísico, nunca se entendeu como “arte autônoma”. O concretismo é um tipo de arte produzida numa época em que artistas não se iludem mais sobre a importância da arte. Sem megalomania, sem ímpeto de genialidade, um bocado de arranjos com palavras pode parecer bastante razoável. Os juízos sobre o concretismo, muitas vezes, dizem respeito a um conceito de arte com o qual os concretistas não tinham nenhum motivo para se comprometer. Não é tanto uma questão de estética, é quase uma questão de calendário, de temperamento, de velocidade. O concretismo é muito pouco metafísico, e se alguém entender a arte como um tipo de prática ou de saber cuja legitimidade tem a ver com determinados “pathos” etc. Com qualquer compromisso de esclarecimento ou de melhoramento da espécie, qualquer argumento humanista, o concretismo pode parecer pouco artístico. O fundamental é que isso não importa tanto.

Manoel Gustavo é professor da Universidade Estadual de Goiás (UEG).

 

“Nosso romance deságua na aniquilação dos homens”

Valério Luiz

O “reacionário” do Borges disse, certa vez, que a marca distintiva do romance moderno em relação à épica não é a prosa, mas a degeneração do caráter. A épica era, mais que a história de feitos, a história de um caráter extraordinário, de um humano que serviria de modelo para todos. Nosso romance, por outro lado, deságua sempre na aniquilação dos homens, os “anti-heróis”. [“A geração que é cínica e depressiva demais para escrever romances de verdade”, Opção Cultural, Jornal Opção 2135]

Valério Luiz é advogado e escritor.

 

“Bancada goiana tem de cobrar investimento na BR-153”

Jota Marcelo

Um dos maiores sonhos de milhares de pessoas é a duplicação. Seria o fim da “máquina de matar”. Praticamente todo dia morre alguém nesse trecho da Rodovia da Morte. Nossa bancada goiana no Congresso não pode esquecer esse assunto, cobrando sempre o investimento. [“Se TCU liberar acordo, a duplicação da BR-153 pode sair do papel”, Jornal Opção Online]

Jota Marcelo é jornalista e editor do “Jornal Cidade”, de Uruaçu.

 

“O recado está dado pelas Forças Armadas”

Gilberto Marinho

O recado está dado: as Forças Armadas estão atentas ao cenário político-econômico nacional e, sem qualquer sombra de dúvida, vão cumprir a sua missão constitucional – quando for preciso e no momento que for preciso.

Gilberto Marinho é jornalista

 

“Uma nova rodoviária de Goiânia é obra desnecessária”

Carlos Augusto Silva

Acho desnecessário. A Rodoviária de Goiânia é boa, dá conta do recado e tem o centro de compras como um diferencial. Goiânia está bem servida quanto ao transporte rodoviário, bem como quanto ao aéreo. O aeroporto ficou muito bom, adequado ao tamanho da cidade e ao montante de sua população, com espaço para expansão. [“Goiânia pode ganhar nova rodoviária. Atual shopping-rodoviária ficaria apenas como centro de compras”, Jornal Opção Online]

Carlos Augusto Silva é professor.

 

“Ideia brilhante, que sairá do papel em 200 anos”

Alberto Nery

Até que é uma ideia brilhante. Apesar de pouco usar a rodoviária, ela virou um grande shopping, circundado por um dos maiores centros de vestuário do país e o pior trânsito do mundo. E, como sei que em Goiás tudo é rápido, daqui a uns 200 anos ela sairá do papel. Tenho até uma grande sugestão: construir um terminal rodoviário próximo ao Ceasa, e levar para lá também os atacadistas de Campinas – já têm 20 anos que vejo dizer que vão criar um polo atacadista e também isso nunca sai do papel. Se construir o terminal rodoviário nas proximidade do Ceasa, fica também perto do aeroporto Santa Genoveva e da estação do trem Goiânia–Brasília, que o governador promete construir todas as vezes que é candidato.

E-mail: [email protected]

Deixe um comentário