Avatar
A.C. Scartezini

Um quadro típico para CPI decorrente do aparelhamento do governo pelo PT

Ministra Rosa Weber, do STF, vai decidir sobre CPI com foco ou não | Foto: Helio de Jesus/STF

Ministra Rosa Weber, do STF, vai decidir sobre CPI com foco ou não | Foto: Helio de Jesus/STF

No mesmo dia em que a presidente da Petrobrás, Graça Foster, depunha no Senado, a oposição ganhou mais munição, vinda da Polícia Federal, para tentar a CPI que investigue as suspeitas de irregularidades na petroleira. A polícia concluiu quatro inquéritos da Operação Lava Jato e indiciou 46 pessoas por lavagem de dinheiro. Entre elas, pessoas relacionadas ao governo federal.

A Petrobrás comparece aos inquéritos com pelo menos dois indiciados que se envolvem em negócios da empresa: Paulo Ro­berto Costa, ex-diretor de Abas­tecimento; e o doleiro Roberto Youssef. Ambos estão presos em Curitiba, sendo o segundo ligado ao petista André Vargas, aquele deputado a quem, entre outras coisas, emprestou um jatinho e prometeu “independência financeira”.

Agora a Polícia Federal pretende investigar, na área abrangida pela Lava Jato, suspeitas de fraudes em licitações, desvio de dinheiro e sonegação fiscal. Com isso, pretende levantar a rede de pessoas no governo ligada ao doleiro Youssef. Por isso, aumentou a pressão de companheiros no PT pela renúncia de Vargas ao mandato de deputado antes que trouxesse mais prejuízo para o partido.

André Vargas, deputado petista ligado a doleiro preso pela PF | Foto: Rodolfo Stuckert/Abr

André Vargas, deputado petista ligado a doleiro preso pela PF | Foto: Rodolfo Stuckert/Abr

A identificação desse tipo de pessoas no governo tem a ver com a insatisfação de quadros técnicos do serviço público, como na Petrobrás, por causa do aparelhamento dos órgãos não apenas com gente estranha. Mas também pelo uso político dos organismos públicos a serviço de partidos e os negócios suspeitos que decorrem do aparelhamento.

Neste momento, há a crise com os quadros técnicos do IBGE por causa da suspensão política, em momento eleitoral, da aplicação periódica da Pesquisa Nacional de Amostras de Domicílios Con­tínua. Estava prevista a divulgação do resultado da pesquisa em 3 de junho, a quatro meses das eleições.

A pesquisa traria ainda este ano dados sobre o índice de em­pregos e rendimentos nas famílias em 3,5 mil municípios dos 5,7 mil do país. Os dados da Pnad Contínua definem as regras para a divisão do dinheiro dos fundos de participação dos Estados e dos municípios. O levantamento da Pnad ficaria para janeiro, depois das eleições que elegerão outros governadores.

A ideia da mudança veio da senadora Gleisi Hoffmann, ex-chefe da Casa Civil da presidente Dilma Rousseff e que pretende se candidatar pelo PT a governadora do Paraná. A pesquisa feita agora pode revelar um índice de desemprego nacional superior aos 5% apurados pelo velho método que se restringe a apenas seis regiões metropolitanas. Não seria bom ao PT.

Gleisi Hofmman: ingerência no IBGE para não prejudicar o PT | Foto: Antonio Cruz/Abr

Gleisi Hofmman: ingerência no IBGE para não prejudicar o PT | Foto: Antonio Cruz/Abr

Antes, houve a crise com o aparelhamento do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) na antiga gestão com caráter ideológico do companheiro Már­cio Pochmann. Ele se retirou há dois anos para ser candidato pelo PT a prefeito de Campinas, em São Paulo. Perdeu a eleição e ficou por lá. Hoje todos os diretores do Ipea são técnicos da carreira.

É um quadro típico para comissão parlamentar de inquérito. A começar pela circunstância de que deriva do aparelhamento da Petrobrás a serviço do PT, tendo um foco específico, enxuto para investigação. Mas o governo e os partidos aliados ao Planalto prometem ampliar o cardápio de averiguações para incluir dois governos estaduais da oposição, São Paulo e Pernambuco.

Nesta semana o processo avançará, pelo menos com uma decisão do Supremo Tribunal Federal, aquele poder a que partidos acusam de se meter no Legislativo, mas ao qual recorrem para resolver pendências parlamentares. A oposição pediu ao tribunal uma liminar a favor do foco único da CPI. O governo seguiu a ideia e pediu garantia para ampliar a pauta.

O caso está no Supremo com a ministra Rosa Weber, nomeada no governo Dilma Rousseff. A relatora Weber prometeu estudar o caso neste feriadão e oferecer um parecer em seguida. O presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB), aproveitou para segurar os mesmos dois pedidos de CPI da oposição à espera do Supremo.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.