A.C. Scartezini
A.C. Scartezini

A patética demissão de Pepe Vargas montou uma comédia no Planalto

Pepe Vargas acabou se tornando o centro de mais uma trapalhada de Dilma | Lucio Bernardo Jr. / Câmara dos Deputados

Pepe Vargas acabou se tornando o centro de mais uma trapalhada de Dilma | Lucio Bernardo Jr. / Câmara dos Deputados

Uma comédia como aquela era inédita nos 55 anos que o Palácio do Planalto comemora no 21 de abril, aniversário da mudança da capital. O companheiro Pepe Vargas pediu demissão como secretário de Relações Institucio­nais quando soube que o posto de foi oferecido ao vice Michel Temer.

A presidente Dilma pediu a Vargas que ficasse frio porque, em compensação, seria nomeado secretário de Direitos Humanos. Iria para o lugar da companheira Ideli Salvatti, que não sabia de nada. Então, Vargas convocou a entrevista coletiva para anunciar a nomeação dele próprio.
“A Dilma me convidou”, comunicou aos repórteres com a intimidade de companheiros do PT. A presidente soube e mandou abortar a coletiva, dentro do palácio. Vargas foi a um canto, conversou por telefone com a chefe. Retornou à mesa de entrevista e anunciou a novidade mais recente:

— Não fui nomeado ministro.

Era a confirmação de mais uma trapalhada de Dilma, agravada por Vargas, o simplório. Então, os relógios marcavam quatro e meia da tarde de quarta-feira. Às oito e meia da noite, Ideli Salvatti, aquela que não sabia de nada antes da entrevista do sucessor, pôde confirmar sua demissão numa nota do palácio:

— A presidenta anunciou o nome de Pepe Vargas para a Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República.

Deixe um comentário