A.C. Scartezini
A.C. Scartezini

Os riscos de uma nova mudança de estratégia de campanha ao sabor das pesquisas

Lula muda o tom e esbraveja, fazendo Fernando Henrique o responder

Lula muda o tom e esbraveja, fazendo Fernando Henrique o responder

A confrontação com o PSDB quanto a corrupção seria a quarta tro­ca de foco na campanha do PT. Antes houve uma guinada quando o partido deixou de lado o seu tradicional mote para infundir esperança no eleitor e partiu para o contrário: transmitir medo quanto à volta dos tucanos ao poder, o que seria a redução de programas sociais.

Como numa ejaculação precoce, a campanha do medo não funcionou porque veio antes da hora. O tema está mais para o fim da propaganda eleitoral, para uma cartada final se foi o partido quem perdeu a esperança em urnas risonhas. Além disso, a Justiça vetou o tema que antecipava acusações a possíveis posições dos adversários.

A seguir veio a opção de Lula pelo ataque agressivo à oposição, aquele “partir para cima” tipo olho por olho, dente por dente. Vigorou até o episódio do Itaquerão, quando Lula radicalizou na sua antiga tendência a estimular a luta de classe com aquela história de que rico não tolera a presença de pobre na universidade ou na viagem de avião. Veio então o ódio de classe.

Os riscos de troca de focos de uma campanha começam pelo fato de que repassam insegurança do partido ou candidato quanto ao sucesso nas urnas. A instabilidade de tema pode chegar ao ponto em que denota desespero. Seria o fim da picada para quem se oferece aos eleitores como líder ou comandante certo para aquele momento de cisão sobre governo.

Além disso, veja-se o tema do ódio. Lula não acompanhou a presidente Dilma no desafio de ir ao estádio para o início dos jogos da Copa, mas no dia seguinte estava com a sucessora em Recife, onde inaugurou o discurso para transformar a candidata em vítima do ódio da oposição e de elites brancas.

Com agressividade e mau humor maior ainda do ritmo que mantinha ultimamente, Lula defendeu ferozmente a presidente contra a hostilidade popular insuflada pela mídia. Naquela ênfase, procurou apagar a imagem de omisso que deixou no estádio. Era um esforço para mostrar presença intensa capaz de mudar a imagem de uma ausência anterior. Conseguiu.

Tanto Lula conseguiu mostrar presença que a oposição reagiu, também numa escalada de tom nas discussões de campanha. Contes­tou com os presidenciáveis Aécio Neves (PSDB) e Eduardo Campos (PSB). A mudança de comportamento retirou FHC de seu sossego e o levou a duelo verbal com Lula.

Deu no que deu. Conforme a pes­quisa do Ibope divulgada em se­guida, na quinta-feira, a massa de elei­tores rejeitou o bate-boca entre os políticos. Todos foram reprovados numa dimensão que ampliou o desencanto popular quanto a políticos.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.