Avatar
A.C. Scartezini

O problema é que a turma do Planalto anda meio desorientada e o vice Temer pagou mico

Vice-presidente: missão de levar a violação da LRF ao Congresso | José Cruz/ Agência Brasil

Vice-presidente: missão de levar a violação da LRF ao Congresso | José Cruz/ Agência Brasil

Ao sair de Brasília na tarde de segunda-feira rumo à Austrália com escalas no caminho, a presidente Dilma deixou para a equipe a tarefa de repassar ao Congresso a consumação da violação da Lei de Responsabilidade Fiscal: a aprovação da emenda à Lei de Diretrizes Orçamentárias com a redução da meta do superávit primário para 2014.

Na terça-feira, o palácio enviou o projeto da emenda ao Congresso, onde se notou que faltou ao Planalto pedir urgência na tramitação da peça. Alegou-se que, sem a urgência, não seria possível tocar o projeto com a velocidade adequada. Então, na ausência da chefe, o vice-presidente Michel Temer assinou o pedido de urgência na quarta-feira.

No dia seguinte, Temer pagou mico. Mandou outro ofício ao Congresso cancelando aquele da véspera. Enfim, percebeu-se que a urgência não fazia sentido. Se os congressistas aceitam o pedido, a urgência apenas tranca a pauta, não permite que outros projetos sejam votados antes. Além disso, a oposição ameaçou ir ao Supremo Tribunal Federal se a urgência passasse.

Agora, os governistas esperam votar o projeto na Comissão Mista do Orçamento no meio desta semana. Em seguida, viria votação final no plenário do Congresso uma semana depois. Então, os senadores e deputados teriam um mês para votar propriamente o orçamento do próximo ano antes do recesso parlamentar em 22 de dezembro.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.