Avatar
A.C. Scartezini

O governo está em ponto morto, move-se apenas se alguém empurrar, mas não embala

Em caso de corrupção, os governistas e aliados só reagem, no Planalto e no Congresso, sob pressão, como ocorreu com Dilma e na mudança do relatório da CPI

Ministro Dias Toffoli, presidente do TSE: antigo advogado do PT teve recaída no ativismo partidário? Foto: Nelson Jr. / Supremo Tribunal Federal

Ministro Dias Toffoli, presidente do TSE: antigo advogado do PT teve recaída no ativismo partidário? Foto: Nelson Jr. / Supremo Tribunal Federal

A presidente Dilma se colocou em ponto mor­to, quanto à corrupção no governo, até a última quinta-feira, quando aproveitou a diplomação que a habilita à nova temporada no palácio e foi ao ataque em defesa da Petrobrás contra alguém que não mencionou. Assim como propôs um oportunista pacto contra corrupção e que seria uma forma de dividir responsabilidade.

A circunstância de o discurso o­correr na diplomação, pelo Tribunal Superior Eleitoral, induz ao entendimento de que as providências de correção ética no governo são um compromisso para o próximo mandato. Não para este de hoje, que ainda se arrasta por dez dias. Tanto que Dilma prometeu uma renovação na estatal, mas não disse como, quando e em qual escalão de gestão:

— Vamos converter a renovação da Petrobrás em energia transformadora do nosso país.
Antes, o discurso afirmou que “al­guns funcionários da Petrobras foram atingidos no processo de combate à corrupção”. Comple­mentou a frase com este registro: “Estamos enfrentando essa (sic) situação com destemor”. O uso do pronome esse, mais o gerúndio enfrentando ocorrem como se aquela situação se realizasse distante da presidente, que enfrenta a onda adversa como vítima.

A posição de vítima se reforça com a menção anterior a “alguns funcionários”, expressão pode estar correta, mas sugere que a direção da petroleira, como a própria Dilma que a nomeou e aprovou a compra de Pasadena, nada tivesse com isso. Nem o PT com os aliados PMDB e o PP.  Alguns funcionários agiram por conta própria e não dividiram o roubo com o governo.

E o pacto? Oportunista, o discurso convoca ao engajamento nele de todos os tipos de representação social e institucional do país, num universo inatingível. Repete outra lorota de quem não tem o que fazer consigo próprio: propõe que se aproveite a ocasião para fazer a reforma política, que, entre os partidos, interessa sobretudo ao projeto de poder eterno do PT.

Leia-se como o pacto imaginário se envolve num pacote que pro­cura dividir com o país, no futuro, a responsabilidade pela corrupção que hoje pertence ao patrimônio do governo central, o que inclui os partidos que o apoiam:

“Chegou a hora de firmarmos um grande pacto nacional contra a corrupção, envolvendo todos os setores da sociedade e todas as esferas de governo. Esse pacto vai desaguar na grande reforma política que o Brasil precisa promover a partir do próximo ano. Vamos convidar todos os poderes da República e todas as forças vivas da sociedade para elaborarmos, juntos, uma série de medidas e compromissos duradouros.”

Seria mais prático, viável, objetivo e convincente se o Planalto chamasse todos os seus aparelhos e combinasse que não se roubasse mais. Quem persistisse no assalto seria sumariamente demitido e iria para a cadeia com os bens confiscados. O problema seria a volta do bumerangue na cabeça de quem o lançou. Mas isso é com os de casa, não os de fora.

Se a coisa fosse séria, o presidente do TSE, companheiro e ministro Dias Toffoli não realizaria o discurso que fez ao diplomar Dilma. Antigo advogado do PT no próprio tribunal que hoje preside, Toffoli se antecipou aos colegas com uma linguagem invulgar no meio e pressionou a oposição a não contar com o TSE ao contestar a eleição de Dilma naquele mesmo dia:
— Não haverá terceiro turno na Justiça Eleitoral. Que os especuladores se calem.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.