A.C. Scartezini
A.C. Scartezini

A mídia paga será a prioridade da comunicação do governo, agora em nova mão

O novo secretário de Comunicação Social da Presidência, companheiro Edinho Silva, foi o tesoureiro da campanha pela reeleição da presidente Dilma no ano passado. Isso significa que o professor de ciências sociais Edinho também sabe lidar com coisas bem mundanas como o dinheiro.

Representa ainda uma definição de identidade da secretaria, até então dirigida por jornalistas tendo como foco principal a imprensa. Agora, define-se o foco na publicidade como forma de popularizar o governo, em especial a presidente. Em bom português, a prioridade se torna a mídia paga, mesmo que Edinho não seja publicitário.

Em meados de março, o presidente do PT, jornalista Rui Falcão, reuniu-se em Brasília com um grupo de deputados petistas mais influentes. Em pauta, a possibilidade de o tesoureiro do partido, João Vaccari Neto, ser convocado pela CPI da Petrobrás, o que acabou acontecendo, mas ainda sem data marcada.

Os deputados se queixaram da falta de influência do PT na CPI por causa do alinhamento do PMDB com a oposição. Disseram ainda que outro fator adverso é o estímulo da imprensa à investigação de denúncias. No fim da conversa, o jornalista Falcão sorriu para os companheiros como quem diz que aquilo iria mudar.

Todos entenderam que a mídia paga pelo governo iria entrar em campo com a disposição de anular os danos à imagem do governo causado pelo jornalismo espontâneo e independente. Uma das saídas pode ser o pagamento de publicidade a veículos condicionado a boa presença no noticiário considerado espontâneo.

Um dos que entenderam essa guinada, agora a ser conduzida por Edinho, ex-deputado estadual em São Paulo ,foi o líder do PSDB no Senado, o paulista Aloysio Nunes Ferreira. Entendeu e pensou em promover um debate na Comissão de Ciência e Tecnologia do Senado para discutir a comunicação do governo.

A ideia era chamar o então secretário Thomas Traumann para explicar aquele documento da secretaria que denuncia o “caos político” no governo. Ele concordou em comparecer, mas pediu que sua presença fosse marcada para depois da Semana Santa. Então pode ser na próxima.

O documento levou à substituição de Traumann por Edinho. O texto denunciava a “comunicação errática” do governo, realizada por amigos que atuavam como “robôs” pagos para apoiar o governo nas redes sociais. Desde o início da gestão Dilma, os blogueiros amigos reclamam compensação, que pode vir como propaganda nos blogs.

Agora, na era Edinho, o tema pode interessar ainda mais ao debate do líder Aluysio Nunes, antigo guerrilheiro contra a ditadura que se candidatou a vice-presidente na chapa do tucano Aécio Neves, derrotada pela reeleição da presidente Dilma.

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.