A.C. Scartezini
A.C. Scartezini

Lula não queria, mas a ação política de Mercadante continua ativa no palácio

Ministro Aluizio Mercadante: Lula não quer, mas ele continua forte | Foto: José Cruz/Agência Brasil

Ministro Aluizio Mercadante: Lula não quer, mas ele continua forte | Foto: José Cruz/Agência Brasil

Como se viu no bastidor da sanção presidencial ao projeto sobre no­vos partidos, a atuação política do chefe da Casa Civil, Aloizio Mercadante, continua ativa no Planalto. Ele serviu, então, de ponte entre o patrono do PL, Gilberto Kassab, o vice Michel Temer e ou­tros peemedebistas irritados com o trabalho do governo a favor do PL.

Não há sentido na versão difundida por amigos de Lula a respeito de um bloqueio da presidente Dilma à articulação política pelo companheiro Mercadante como insiste o ex-presidente. Ele também se frustrou na recomendação à sucessora para devolver o chefe da Casa Civil ao Ministério da Educação, vago com a saída do aliado Cid Gomes.

No meio da semana, Mercadante ofereceu uma prova de que o seu trabalho ainda vai além da área administrativa do governo, ao contrário do que sugeriu Lula. Contestou a informação de que Dilma prometeu ao ex, fazer uma revisão no arrocho fiscal e, com isso, suavizar o prejuízo dos trabalhadores com as novas medidas.

“O governo tem absoluta prioridade e total compromisso com o ajuste fiscal”, assegurou Merca­dante. “Não procedem as informações de que, seja em relação ao presidente Lula ou ao Partido dos Trabalhadores, o governo esteja flexibilizando o ajuste”, emendou numa fase torta para garantir que o arrocho continua onde estava.

Lula acredita que aquela informação partiu do companheiro e senador gaúcho Paulo Paim, que, na véspera da publicação, o procurou, em São Paulo ,para conversar sobre o assunto. No dia em que a notícia saiu em jornal, o ex comentou com amigos que não é comum receber visita de Paim, que ameaça deixar o PT se o arrocho ficar como está.

Deixe um comentário