A.C. Scartezini

Contragolpe dos partidos esvazia a reforma e os conselhos que diminuiriam o Congresso

Menos poderosa, a presidente reeleita deverá repensar os projetos políticos e considerar o diálogo como algo aberto ao compartilhamento de poder

Parlamentares rejeitam projeto sobre conselhos populares cujo objetivo é unicamente favorecer o PT / Gustavo Lima / Câmara dos Deputados

Parlamentares rejeitam projeto sobre conselhos populares cujo objetivo é unicamente favorecer o PT / Gustavo Lima / Câmara dos Deputados

Menos de 48 horas de­pois de ser reeleita e propor o diálogo, a pre­sidente Dilma trombou duas vezes no Congresso com lideranças de partidos aliados e da oposição, com a rejeição ao seu mo­delo de reforma política e à ideia de ter os conselhos populares como meios de operação paralela para o­rientar e fiscalizar os órgãos do governo, inclusive os de gestão indireta.

Mais fraca depois da reeleição pela modesta diferença de 3,28% de votos sobre o concorrente, tucano Aécio Neves, Dilma se torna vulnerável às vésperas do segundo governo, que se inicia daqui a dois meses. Sem tanto poder, terá de reexaminar os conselhos e a mudança do sistema político-eleitoral.

Se, há um ano, a presidente não conseguiu emplacar a reforma depois da agitação das ruas, não será mais fácil agora. O tema se destina a ser o mantra retórico a que Dilma recorre quando deseja mostrar ação ou programa político. Onde adormece a mobilização popular que ela prometeu para agitar a reforma com a mesma força urbana das Diretas Já?

A jogada é a mesma do ano passado e por isso não avança. Nada de novo no projeto de beneficiar o PT com uma mudança da Constituição definida por movimentos sociais organizados no clássico modelo petista. A diferença é que não se falou mais em constituinte porque, afinal, temos um Congresso recém-eleito e que ainda nem se instalou.

A presidente começa por propor um plebiscito onde o povo pautaria previamente aquilo que o Congresso deve mudar. A seguir, Dilma detecta as resistências e aceita que a consulta popular se faça posteriormente na forma de referendo, onde os eleitores diriam o que aceitam ou não na mudança aprovada pelos deputados e senadores.

Como plebiscito ou referendo, a reforma tutelaria a função legislativa do Congresso. Acontece que os parlamentares não parecem dispostos a terceirizar a organização do modelo pelo qual se elegem e reelegem habitualmente. Nem ceder seus empregos, no futuro, em favor de uma supremacia petista no parlamento.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.