A.C. Scartezini

A ascensão de Marina pode ter parado no teto, mas ainda há um mês de bombardeio

Marina Silva entrou no páreo e números relembram que a campanha não acabou l Foto: Vagner Campos / MSILVA Online

Marina Silva entrou no páreo e números relembram que a campanha não acabou l Foto: Vagner Campos / MSILVA Online

“Tudo o que é sólido desmancha no ar, tudo o que é sagrado é profanado”, escreveram os amigos Karl Marx e Friedrich Engels, há 166 anos, no Manifesto Comunista. Há um mês, Marina Silva (PSB/Rede) surgiu como o elemento novo na sucessão presidencial e marcou 21% em pesquisa do Datafolha. Dilma Rouseff (PT) tinha 36%. Aécio Neves (PSDB), 20%.

Depois de oscilações para baixo no percurso, a reeleição da presidente Dilma voltou aos 36% que tinha há um mês, agora em nova rodada do Datafolha. Marina subiu e caiu, para chegar a 33%. Aécio não resistiu ao impacto da nova concorrente, perdeu eleitores que marinaram e apresentou-se com 15% na pesquisa fechada na quarta-feira, 10.

Porém, a vantagem de três pontos para Dilma sobre Marina é quase três vezes maior em outra pesquisa, feita pelo Ibope para a Confederação Nacional da Indús­tria e distribuída na sexta-feira, 12. Seriam oito pontos de diferença. No início do mês, Dilma tinha 37% no Ibope e agora foi a 39%. Marina estava com 33% e desceu para 31%. Aécio manteve os 15% nas amostras.

A nova pesquisa do Ibope foi à rua entre os dias 5 e 8 de setembro. A do Datafolha, entre os dias 8 e 9. No dia 6, sábado, passou a ser divulgado o novo escândalo da Petro­bras, com o desvio de bilhões de reais para uma nova edição de compra de apoio político ao governo. Assim, o Ibope iniciou a pesquisa antes do escândalo e terminou depois. O Datafolha, sempre depois.

Outra diferença: a data de divulgação. O Datafolha terminou a coleta de dados na terça-feira, 9, e divulgou o resultado no dia seguinte. O Ibope terminou a coleta um dia antes, segunda, e divulgou os números quatro dias mais tarde, sexta. Como pagou pela pesquisa do Ibope, a CNI teria preferido mostrar os resultados apenas depois do Datafolha.

Antes das pesquisas havia o questionamento sobre o limite de crescimento possível a Marina, onde se ponderava a candidata pelo fato de ser a novidade na disputa, mais a circunstância de beneficiar-se com a comoção popular pela morte inesperada do presidenciável Eduardo Campos, a quem substituiu no PSB.

Acrescente-se o peso com que o PT de Lula e Dilma se dedicou ao bombardeio da ex-companheira Marina para removê-la da concorrência e impedir que interrompa a irresistível vocação histórica que destina os petistas ao poder absoluto vida a fora.

Mesmo assim, no Datafolha, Dilma não ascendeu naquele período, que o Ibope não pesquisou. Marina parou de crescer e Aécio perdeu o que tinha a perder. Com os três estáveis, as duas estão no empate técnico previsível porque a amostra do Datafolha prevê a margem de erro de 2% acima ou abaixo. No segundo turno, Marina teria 47 pontos contra 43 de Dilma, com o empate no limite.

Com a mesma margem de erro, o Ibope aponta empate técnico para ambas na segunda rodada, Marina, com 43 pontos. Dilma, 42. A diferença é que a vantagem de Marina seria de quatro pontos sobre Dilma. No Ibope, um ponto.

Até a segunda votação, em 26 de outubro, faltam seis semanas. É o prazo à disposição do PT para avançar na campanha de ódio, sabendo que a rejeição a Marina cresceu no Datafolha: era de 15% no fim de agosto e chegou a 18%. Dilma ainda é a campeã, com 33% — um terço dos eleitores. Aécio é o vice, com 23%. Abaixo, Pastor Everaldo (PSC), com 22%. Depois, Marina.

No Ibope, a rejeição a Marina é maior do que no Datafolha em oito pontos, com 26%. Dilma continua campeã, com 42% — nove pontos a mais do que no outro instituto. Aécio ainda é o vice, rejeitado por 35% — 12 pontos a mais do que no Datafolha.

O discurso de campanha do PT ganha em eficácia na base da pirâmide salarial, onde está a clientela dos programas sociais do governo. Por faixa de renda, o maior apoio a Dilma está na po­pulação com até dois salários mí­ni­mos, R$ 1.448: 43%, con­tra 29% de Marina e 10% de Aécio.

Acima da base, Dilma perde fôlego e chega à outra ponta (mais de 10 salários – R$ 7.240), com 26%. Marina sobe nas faixas intermediárias para 38%, até desembarcar no topo como campeã, com 32%. Aécio é o menos votado na base, com 10%. a seguir sobe conforme aumenta a renda e chega ao topo em segundo lugar, com 31%.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.