Avatar
Frederico Vitor

Reaproximação de Iris com o PT em Goiânia pode render ao PMDB a vice de João Gomes

Iris Rezende se reaproxima do PT de Paulo Garcia na capital goiana | Rubens Otoni: PT pode celebrar aliança com o PMDB em Anápolis

Iris Rezende se reaproxima do PT de Paulo Garcia na capital goiana | Rubens Otoni: PT pode celebrar aliança com o PMDB em Anápolis

Um fato interessante está prestes a ocorrer na cena política goiana envolvendo o PMDB e o PT com ecos mais significativos em Anápolis. Parceiros de longa data, principalmente no que se refere à formação de alianças na disputa de eleições municipais, a movimentação das peças do xadrez político em Goiás com vistas ao pleito do ano que vem pode resultar em um vice peemedebista na chapa de reeleição do prefeito João Gomes (PT).

Vamos aos personagens e as circunstâncias que podem levar a tal situação. Primeiro, o ex-prefeito e pré-candidato à Prefeitura de Goiânia pelo PMDB, Iris Rezende, dá claros sinais de que pode reaproximar do prefeito petista Paulo Garcia. Ao perceber que no momento o gestor goianiense consegue reagir e colocar sua administração em ação, o líder peemedebista pode deixar, por enquanto, o DEM do senador Ronaldo Caiado de lado para ficar com o PT na capital.

Em Anápolis o panorama é outro. João Gomes já tem o PMDB em sua administração — aliás, os peemedebistas compõem a prefeitura desde quando Antônio Gomide estava no comando do Executivo municipal. Diferentemente de Goiânia, onde os personagens que pretendem protagonizar o processo eleitoral de 2016 se acotovelam pela cabeça de chapa, em Anápolis a briga é para ver quem será o vice de Gomes, e há até mesmo a possibilidade de um tucano ocupar a vaga em disputa.

Voltando a Goiânia, Iris Rezende retornou a agenda política em um encontro com petistas e fez declarações que dão um norte sobre como devem ser a negociações das alianças envolvendo a sua chapa. No encontro, que envolveu o prefeito Paulo Garcia e o deputado federal Rubens Otoni (PT), Iris disse que a aliança com o PT não foi feita para durar um dia. “Se continuar sendo boa para o povo de Goiânia e de Goiás não tem porque não continuar”, disse o decano peemedebista.

A análise do ex-prefeito é um balde de água fria nas especulações e até mesmo nas negociações que vinham ocorrendo com o senador Ronaldo Caiado e o DEM. A ideia de Caiado era repetir a parceria de 2014 em 2016 para que, fortalecidos, ambos os partidos caminhassem juntos em 2018, quando Caiado pretende disputar o governo estadual. Com a fala de Iris, o DEM fica no escanteio já que tanto PT quanto DEM já anunciaram que onde um estiver o outro não estará.

DEM isolado

É preciso ressaltar que caso não haja de fato uma aliança com o PMDB, tanto Caiado quanto o DEM correm risco iminente de isolamento político e eleitoral. Se já faz alguns anos que o senador carrega o partido nas costas, agora, pode ser que o peso seja grande demais para que isso continue acontecendo. Os poucos democratas ainda com mandato em Goiás estão todos alinhados com a base marconista e seguem ordens palacianas, ignorando as decisões de Caiado.

Se os desdobramentos forem os apresentados, Anápolis vai seguir o que já ocorre na capital e em Aparecida de Goiânia: aliança protagonizada por PT e PMDB. Se em Goiânia havia uma cabeça de chapa do PMDB, a vice seria do PT. E foi num destes acertos que Paulo Garcia tornou-se prefeito da capital. Em Aparecida ocorreu a mesma regra, com o peemedebista Maguito Vilela e seu vice, o petista Ozair José. A exceção nas eleições de 2012, por exemplo, ocorreu em Anápolis. Será que agora chegou a vez de o PT ser a cabeça de chapa e o PMDB ocupar a vice na segunda mais rica cidade de Goiás?

Seja qual for o desdobramento deste hipotético cenário, o que complica para o PMDB de Anápolis é a ausência de nomes competitivos a serem indicados. A legenda míngua de quadros e ainda por cima vive um cenário de disputas internas de grupos que prejudicam uma agenda política e capilaridade eleitoral, resumindo-se a intrigas paroquiais. Outro obstáculo que os peemedebistas anapolinos terão que superar é o assédio de partidos como o PSD, PP e, principalmente, do SD do deputado estadual Carlos Antonio, que já se lançaram no jogo pela conquista da vice.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.