Marcos Nunes Carreiro
Marcos Nunes Carreiro

Gomide dá passo importante para ser candidato

Antônio Gomide: com tudo na mão para ser o candidato ao governo | Foto: Fernando Leite/Jornal Opção

Antônio Gomide: com tudo na mão para ser o candidato ao governo | Foto: Fernando Leite/Jornal Opção

O prefeito de Anápolis, Antônio Gomide (PT), deu um passo importante rumo a consolidar sua candidatura ao governo do Estado. Em reunião com a direção nacional do PT em Brasília na quinta-feira, 20, ele recebeu carta-branca para se firmar como nome ao governo, independentemente da decisão a ser tomada pelo PMDB. Porém, ainda pode se ver ameaçado por uma possível candidatura de Iris Rezende. Essa é a leitura que se pode fazer da reunião.

Na avaliação de Gomide, en­tre­tanto, o discurso é o mesmo: só deixa a prefeitura anapolina se for para ser candidato. Ele aposta na sua capacidade de crescimento, visto que não é largamente co­nhecido no Estado. Se subir nas pesquisas, chegará às convenções mais forte do que já está. Mas o tempo é curto, uma vez que, se for se descompatibilizar, deverá fazê-lo até o próximo dia 29, quando o PT se reúne com seus delegados.

É certo que, por orientação nacional, o PT terá que ceder a cabeça de chapa para o PMDB em oito Estados — até agora — e Goiás não está no meio. São eles: Amazonas, que tem o senador Eduardo Braga como nome peemedebista; Sergipe, onde o governador Jackson Barreto (PMDB) tentará a reeleição; em Alagoas, Renan Filho –– filho do presidente do Senado Renan Calheiros –– parece ser o nome que encabeçará a chapa; Pará, onde o cabeça peemedebista deverá ser o ex-prefeito de Ananindeua Helder Barbalho, filho do senador Jader Barbalho; Mato Grosso, onde o candidato do PMDB deverá ser Nelson Trad Filho; e Rondônia, onde Confúcio Moura há de ser confirmado. Já na Paraíba a situação é um pouco mais complexa, uma vez que a então pré-candidata petista Nadja Palitot pode fechar com o peemedebista Veneziano Vital do Rêgo, que também cogita se aliançar com o PSDB em um grande bloco para derrotar o governador Ricardo Coutinho (PSB).

O oitavo Estado é o Tocantins. O discurso petista no Estado ainda é de candidatura própria, mas já mudou um pouco, após a entrada do ex-prefeito de Porto Nacional Paulo Mourão –– que diz ter carta branca para dialogar com todos os partidos. Ao que consta, Mourão não tem a resistência característica de uma ala do partido para fechar acordo com o PMDB visando as eleições de outubro.

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.