Avatar
Marcos Nunes Carreiro

Em semana de definições, Antônio Gomide pode deixar de ser prefeito

Antônio Gomide: prefeito mais bem avaliado do País já não deverá estar à frente de Anápolis, mas seguirá o caminho para tentar o governo | Foto: Renan Accioly/Jornal Opção

Antônio Gomide: prefeito mais bem avaliado do País já não deverá estar à frente de Anápolis, mas seguirá o caminho para tentar o governo | Foto: Renan Accioly/Jornal Opção

“Não nasci e não morrerei prefeito.” Essa foi a fala de Antônio Gomide em um dos encontros realizados nos últimos três meses. E ela resume bem o clima desta semana, que é de definições para o PT, sobretudo para ele, que até o sábado, 5, poderá deixar de ser o prefeito de Anápolis e pré-candidato petista ao governo para ser apenas pré-candidato.

A pré-convenção do PT estava prevista para ser realizada no sábado, 29, portanto, no fechamento da edição, no dia anterior, não havia como saber ao certo da homologação do nome do anapolino. Con­tudo, estava tudo certo para que isso ocorresse. É certo que dos 350 delegados com direito a voto, grande parte apoia a candidatura de Gomide. A ala do partido que ainda tinha certa resistência ao seu nome é a tendência ligado ao prefeito de Goiânia, Paulo Garcia, que tem reiterado sua posição de apoio a uma composição com o PMDB de Iris Rezende.

A coluna falou com Gomide na manhã de sexta-feira, 28, quando ele estava a caminho de inaugurar mais uma escola municipal reformada –– Escola Rosevir Ribeiro de Paiva (veja nota ao lado). Sua voz apresentava a tranquilidade habitual no trato de sua possível candidatura. Ele disse: “Acabei de falar com o [presidente nacional do PT] Rui Falcão, que está em São Paulo. Ele me disse o seguinte: ‘o que o encontro dos delegados confirmar, nós homologaremos’. Então é essa a posição. Não tem nenhum ‘senão’.”

O ‘senão’ levantado por Gomide está na fala do diretório nacional do partido quanto a possível aliança, caso Iris Rezende seja definido como pré-candidato do PMDB. Isso porque a carta-branca dada a Gomide veio com a ressalva de que o PT não aglutina com a candidatura de Júnior Friboi, mas o faz com a de Iris. Então, se Iris conseguir o que quer –– ser aclamado o candidato ––, há uma possibilidade de Gomide não ser o cabeça de chapa, tendo que, já descompatibilizado da prefeitura, aceitar ser o vice ou ir ao Senado. Quando questionado sobre isso, Gomide é direto: “Essa fala do PT nacional era válida até a nossa pré-convenção. Ou seja, a partir desta semana, se o PMDB não se decidir, eu sou o candidato do PT, inequivocavelmente.”

Com a homologação de Gomi­de como o pré-candidato do partido, o petista deverá se descompatibilizar da Prefeitura de Anápolis até o dia 5, deixando o cargo nas mãos do também petista João Gomes. Nesse intervalo –– uma semana –– Gomide deverá viajar para Brasília para entregar a ata do encontro ao diretório nacional. “Lá haverá a confirmação por parte da direção e diremos que a nossa parte foi feita: viajar pelo Estado, motivar a militância, realizar encontros e viabilizar a candidatura. Ou seja, nossa decisão é a mesma do partido. Temos todas as condições para fazer e faremos. Sairei da prefeitura para ser candidato a governador”, reitera.

Pergunto se está ansioso e a resposta é: “De jeito nenhum. Estou animado, tanto é que estou indo inaugurar outra escola. É a quinta reformada apenas nesta gestão, além de três outras que foram construídas. A administração continua. Anápolis está em festa”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.