Marcos Nunes Carreiro
Marcos Nunes Carreiro

Diz membro do PT Nacional: “Sem identidade comum, Gomide e Friboi não podem compor palanque”

Elói Pietá esteve em Goiás no fim da semana passada para auxiliar Antônio Gomide na formatação de seu plano de governo. Mas não apenas isso. Fazendo o jogo partidário, o ex-prefeito de Guarulhos alfinetou os PMDBs estaduais nesse período conturbado de alianças partidárias. Ele, que deixou a diretoria do PT nacional para passar três meses na Índia aprendendo inglês, disse: “Goiás vive uma situação bastante parecida com São Paulo, em que o PSDB governa o Estado há 20 anos; em que o PMDB tem como pré-candidato um empresário — Paulo Skaf, presidente da Federação das Indús­trias de São Paulo (Fiesp) — que representa o pensamento das elites; e em que o PT postula lançar candidatura própria, com o ex-ministro Alexandre Padilha.”

Logo, seu pensamento é o de que PT e PMDB devem, sim, lançar candidaturas separadas no primeiro turno e, quem sabe, juntar forças em uma possível segunda estapa. “O PT nacional não pode reclamar, pois estamos disputando a aprovação do povo com bons candidatos nos Estados. O que não podemos aceitar é ver Friboi e Gomide dividindo palanque. Afinal, não há nenhuma identidade entre os dois. Situação diferente da vivida pela presidente Dilma e o [vice Michel] Temer”, diz.

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.