Yago Rodrigues
Yago Rodrigues

Com 7 mil casos de dengue registrados, município inicia campanha de prevenção

Além de 7 mil casos notificados, 4,5 mil foram confirmados e 3 pessoas morreram. Como se não bastasse, outra doença bate à porta: a chikungunya /

Além de 7 mil casos notificados, 4,5 mil foram confirmados e 3 pessoas morreram. Como se não bastasse, outra doença bate à porta: a chikungunya /

“Vivemos uma situação não diferente dos outros Estados e países”, diz o médico infectologista, Marcelo Cecílio Daher, que alerta para uma epidemia de dengue. Anápolis não tem um número de casos tão alto como de outros municípios, mas é uma situação que tem preocupado, afinal, o Estado possui as três cidades com os maiores números de incidências a nível nacional: Goiânia, Luziânia e Aparecida de Goiânia. E em Anápolis o índice preocupa: “Tivemos mais de sete mil casos notificados, mais de 4,5 mil casos confirmados e três óbitos”. E, como se não bastasse, outra doença bate à porta: a chikungunya.

Infectologista Marcelo Daher: “População deve saber que é responsável por seus atos”

Infectologista Marcelo Daher: “População deve saber que é responsável por seus atos”

Daher explica que o município tem feito um trabalho para reduzir a infestação do mosquito, o que diminui a transmissão da dengue e abaixa, também, o risco de chikungunya. Na dengue, a pessoa infectada tem febre, muita dor no corpo e manchas pela pele. Na chikungunya, os sintomas são febre e muitas dores articulares, que podem permanecer por meses. Ainda que a proporção seja pequena, ambas podem levar à morte. “A chikungunya tem mortalidade menor que a dengue, mas ela incapacita mais”, diz.

O infectologista explica que o município trabalha com duas frentes de trabalho. A primeira é a de prevenção, que conta com agentes que visitam as casas e analisam as regiões da cidade. Quando um lote ou área precisa de limpeza, os agentes notificam as secretarias de Meio Ambiente e Infraestru­tura, que, em parceria com a Saúde, realizam o serviço. “Na visita, orientamos a não deixar água parada”, conta.

A segunda frente é a de tratamento. As pessoas doentes procuram as unidades de saúde para atendimento. O problema são os ambulatórios abarrotados de pessoas com os sintomas.
O modo de evitar a dengue já é tecla puída, mas a população, em geral, tem se excluído e delegado a responsabilidade aos outros: “A impressão que tenho é que a população acha que o poder público é responsável por tudo que acontece com ela”. Por isso, (re)aconselha que as pessoas não joguem lixo na rua e não deixem acumular água. “Nós precisamos que a população saiba que é responsável pelos atos e pela vida dela”, relata.

Além disso, outro aspecto relevado por Daher é que Anápolis, tem muitas áreas de terrenos baldios, assim como áreas de entulho e lixo em outros terrenos. “Desse modo, temos reservatórios espalhados pela cidade inteira”, conta. Por isso, conta que a secretária de Saúde tem trabalhado, também, em conjunto com a secretaria de Educação em campanhas de prevenção da dengue. “Envolvemos muitas escolas e as crianças nesses trabalhos para que elas tenham consciência”. Além disso, nesse mês, serão realizadas várias ações pelo Estado e pelo município. No dia 10, será realizada uma caminhada no centro da cidade para tratar do assunto.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.