Marconi Perillo, se melhorar a escola pública e fazer Credeqs eficientes, vai atrair a atenção do País

Governador Marconi Perillo (PSDB) durante lançamento da 2ª edição do Agenda Goiás: objetivo é projetar o Estado | Foto: Lailson Damásio

Governador Marconi Perillo (PSDB) durante lançamento da 2ª edição do Agenda Goiás: objetivo é projetar o Estado | Foto: Lailson Damásio

Seguindo a orientação do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, de especialistas em marketing e de empresários, o governador de Goiás, Marconi Perillo (PSDB), está se tornando cada vez mais um político nacional e atraindo os olhos do país para o Estado que dirige (o sistema de saúde criado pelo governo, notadamente o Crer, é conhecido em todo o Brasil). João Dória tem contribuído para abrir as portas do meio empresarial, especialmente o de São Paulo, e a secretária da Fazenda, Ana Carla Abrão Costa, as portas do mundo financeiro — economistas, ministros e banqueiros — ao tucano-chefe.

Ao estilo freudiano, em todos os lugares, a pergunta é a mesma: o que quer, circulando pelo país, o governador de Goiás? O óbvio: tornar-se um político nacional, ser visto e examinado pelos brasileiros. Com qual objetivo? Depois de quatro mandatos de governador do Estado, Marconi Perillo não quer se tornar o Iris Rezende do PSDB — interrompendo seu ciclo vitorioso com derrotas sucessivas, o que pode acontecer, em caso de o seu grupo político não se renovar, em termos de nomes, e não se modernizar, em termos de ideias e projetos. Em 2018, é possível que o jovem político, hoje com 52 anos, ainda dispute mandato local, para senador. Mas o fato é que, aos poucos, Goiás está ficando “pequeno” para suas ideias e projetos. Por isso, como afirma com acerto uma jornalista, Goiás está “perdendo” e o Brasil está “ganhando” Marconi.

Verdades sagradas podem ser destruídas. Afirma-se que um Estado com um eleitorado diminuto, como Goiás, não tem condições de lançar um presidente da República (ressalve-se que Alagoas bancou Fernando Collor de Mello, em 1989) com efetivas chances eleitorais. Trata-se de um engano convencional. Se candidato a presidente pelo PSDB, partido com alta capilaridade nacional, Marconi terá, sim, chances efetivas de vencer uma eleição para presidente, sobretudo com o desgaste extraordinário do PT.

Só que há um problema: a política do café-com-leite voltou ao país, e notadamente no PSDB. O senador Aécio Neves, de Minas Gerais, e o governador Geraldo Alckmin, de São Paulo, estão com seus nomes postos e querem disputar a Presidência da República, em 2018, e não querem abrir espaço para uma novidade, como Marconi. O que fazer?

Marconi, sempre ousado, não é um desistente. Por isso, mesmo sabendo das barreiras colocadas por Minas e São Paulo, permanece militando na política nacional. Recentemente, por coerência, sublinhou que, se disputar algum cargo no plano federal, será pelo PSDB. Entretanto, se o alto tucanato bloqueá-lo, o que fará? Pelo menos dois partidos poderiam bancá-lo para presidente. Como político de centro-esquerda, se sentiria à vontade disputando a Presidência tanto pelo PSD de Gilberto Kassab — que torce por sua5 filiação ao partido que dirige — quanto pelo PSB de Carlos Siqueira. No momento, Marconi é um outsider. Sua ousadia, um desses, poderá recompensá-lo. O Brasil — a imprensa, empresários, políticos, a intelligentsia — já o observa com atenção.

Se Marconi conseguir melhorar a educação pública, atraindo a classe média para a escola não paga, e se conseguir organizar centros de recuperação de dependentes químicos eficientes — puxando a atenção do Brasil para Goiás —, dificilmente as elites tradicionais, inclusive a do PSDB, vão conseguir “segurá-lo” nas fronteiras do Centro-Oeste.

4 respostas para “Marconi Perillo, se melhorar a escola pública e fazer Credeqs eficientes, vai atrair a atenção do País”

  1. O PSDB tem grandes nomes, o que propicia a tanta especulação
    sobre quem concorrerá à presidência em 2018. O importante é o partido se manter
    unido e organizado. Focado em fazer oposição ao governo Dilma. Já o PT em
    frangalhos. Os grupos de Dilma e Lula em guerra pelo poder interno da legenda.
    Um tenta salvar o governo, o outro tenta de descolar do desgaste da presidentA,
    na tentativa de viabilizar a candidatura de Lula para 2018. Acho que nenhum dos
    dois se salvará.

  2. Avatar jESSICA sANTOS disse:

    Conseguir melhorar a educação pública?Como?Desvalorizando, massacrando o professor? É essa a estratégia?Se for isso , realmente Marcone está cumprindo com maestria.

  3. Avatar cezar disse:

    Projeção nacional só se for com a desvalorização da educação pública em Goiás.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.