Baldy diz que o PP vai lançar candidato a prefeito de Goiânia e prepara projeto para Rio Verde

O ex-ministro afirma que conversa com Daniel Vilela e Vilmar Rocha, mas a prioridade é a indicação do PP para a disputa

Na sexta-feira, 1º, falando com o Jornal Opção a partir de Londres, o secretário de Transportes do governo de São Paulo, o goiano Alexandre Baldy, disse que o governador João Doria está fazendo um governo moderno e criativo. “Trata-se de um governo acelerado, sem pasmaceira. Além de dinâmico, Doria é de uma habilidade política incrível.”

Inquirido sobre a sucessão em 2020, Baldy frisou: “O PP está de vento em popa. Vamos lançar candidato a prefeito em Goiânia, com chances reais de vitória. Vamos organizar uma chapa de candidatos a vereador consistente, haja vista que, na próxima eleição, a coligação muda completamente” (não haverá coligação proporcional, quer dizer, para vereador, portanto cada partido tem de lançar chapa completa).

Baldy afirma que o PP conversa tanto com o MDB de Daniel Vilela quanto com o PSD de Vilmar Rocha. “Mas primeiro vamos avaliar os quadros internos, pois vamos valorizar os que estão buscando melhores e mais competitivos quadros para se filiarem e disputarem as eleições. O PP é, afinal, o terceiro maior partido do Brasil. Mas claro que  não vamos deixar de dialogar com os demais partidos. Daniel Vilela e Vilmar Rocha são bem-vindos e podem caminhar conosco. Mas é cedo para firmar alianças.”

Na eleição de 2018, com a eleição de um senador, Vanderlan Cardoso, e dois deputados federais, Adriano do Baldy e Alcides Ribeiro, Baldy postula que produziu a “estratégia eleitoral acertada”. “Vou buscar fazer a melhor estratégia eleitoral em 2020, em todas as cidades. Queremos eleger 60 prefeitos pelo PP em 2020.” Por que isto? Porque o PP quer se credenciar para a disputa do governo em 2022, quando, dependendo do desgaste do governo de Ronaldo Caiado, se terá um imenso vazio político.

Instigado a falar sobre o MDB, sobre a possibilidade de uma divisão entre Iris Rezende e Daniel Vilela, Baldy mostrou-se cauteloso. “O MDB não é a minha realidade. Ainda é cedo para qualquer decisão. Está na hora de articular, de apresentar ideias e revelar nomes, mas não de firmar alianças definitivas.”

Perguntado sobre se Heuler Cruvinel disputa a Prefeitura de Rio Verde, Baldy frisou que se trata de “um amigo e aliado”. “Heuler terá meu apoio para fazer o que quiser. Estamos, eu e Heuler, construindo, junto com o presidente da Assembleia Legislativa, Lissauer Vieira, um projeto para Rio Verde — que pode ser surpreendente”.

Baldy frisa que, em São Paulo, o prefeito Bruno Covas deve disputar a eleição. “Ele é neto do saudoso Mário Covas e deve ser candidato.”

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.