Vereadores cobram de secretária da Saúde respostas sobre falta de insulina em Goiânia

Audiência da Comissão da Saúde também tratou sobre problemas de pacientes renais crônicos e de contratos temporários de médicos

Vereadores cobraram respostas da secretária da saúde | Foto: Fabio Cazanga / Câmara

A secretária Municipal de Saúde (SMS), Fátima Mrue, compareceu nesta quinta-feira (16/2) a uma audiência pública na Câmara Municipal, convocada pela Comissão de Saúde da Casa, para prestar esclarecimentos referentes à área. O principal questionamento foi em relação à falta de insulina e de insumos para a bomba de insulina na capital.

A titular da SMS afirmou que tem entrado em contato com a empresa responsável pela distribuição do medicamento, a Hospfar, e que ela garantiu que fará as entregas normalmente durante a vigência do contrato. Entretanto, os diabéticos que dependem da bomba ainda enfrentam dificuldades para receber os insumos.

O vereador Jorge Kajuru (PRP) afirmou que atualmente 186 pacientes aguardam as bombas e que essa é uma questão de vida. “Se eles não são medicados, eles podem morrer. E nós precisamos de uma resposta. Quando eles receberão as bombas?”, questionou.

“Nós queremos comprar, mas precisamos de alguém que queira vender”, afirmou a secretária. Ela reforçou que há um acordo com a Hospfar de entrega das insulinas mesmo sem a quitação da dívida da SMS, mas que ele ainda não foi cumprido totalmente.

Segundo Mrue, há problemas a empresa alega atraso da fabricante e por isso não está cumprindo os prazos. Ela afirmou que a secretaria vem buscando algumas alternativas, como tentar entrar em processos licitatórios feitos em outros estados para garantir o medicamento em momentos de emergência.

A vereadora Priscilla Tejota (PSD) sugeriu que Mrue acione o departamento jurídico da SMS para garantir que o contrato de fornecimento dos medicamentos seja cumprido. De acordo com a secretária, serão tomadas medidas formais e tudo o que foi acordado será exigido por escrito, para que as providências possam ser tomadas.

Já o vereador Zander Fábio (PEN) propôs que a secretária procure o Ministério Público para garantir que possa ser feita a compra de insulinas e bombas fora do contrato. A sugestão foi reforçada pelo vereador Paulo Magalhães (PSD).

Procurada pelo Jornal Opção, a Hospfar garantiu que a questão das insulinas foi resolvida e que os insumos para as bombas terão a entrega normalizada enquanto durar o contrato com a prefeitura.

Outras questões

Embora o assunto principal da audiência tenha sido a questão da insulina, outros assuntos como a situação dos pacientes renais crônicos e de médicos que teriam sido demitidos pela prefeitura. A secretária negou os dois problemas apresentados.

Segundo o presidente da comissão, o vereador Paulo Daher (DEM), um grupo de pacientes renais crônicos afirmou que estão enfrentando problemas no tratamento devido a rompimento de contratos. “Desconheço essa questão. Não cortamos nenhum contrato”, respondeu a secretária.

Já em relação aos contratos dos médicos, a secretária afirmou que nenhum foi demitido. De acordo com ela, houve uma nova instrução para os contratos e, por isso, alguns demoraram a serem renovados. Entretanto, ela garantiu que em nenhum momento eles deixaram de atender a população.

Estavam presentes na audiência os membros da comissão: o presidente, Paulo Daher (DEM), Priscilla Tejota (PSD), Paulo Magalhães (PSD), Oséias Varão (PSB), Gustavo Cruvinel (PV) e Jair Diamantino (PSDC). Também estiveram presentes os vereadores Cristina Lopes (PSDB), Delegado Eduardo do Prado (PV), Jorge Kajuru (PRP), Vinícius Cirqueira (Pros), Carlin Café (PPS), Cabo Senna (PRP), Sabrina Garcêz (PMB), Juarez Lopes (PRTB), Anselmo Pereira (PSDB), Zander Fábio (PEN), Lucas Kitão (PSL) e Welington Peixoto (PMDB); a presidente do Conselho Municipal de Saúde, Irmã Joana Mendes, e representantes da Sociedade São Vicente de Paulo e Associação Metropolitana de Atenção aos Diabéticos.

Deixe um comentário

wpDiscuz