“PSDB precisa, sim, fazer uma autocrítica”, diz Marconi em entrevista à “Veja”

Governador critica programa eleitoral do partido e pede que bons não paguem pelos erros dos maus

Governador Marconi Perillo durante entrevista | Foto: Divulgação

O governador de Goiás, Marconi Perillo, afirmou em entrevista à revista “Veja” que o PSDB precisa “fazer uma autocrítica” e um debate interno sobre os rumos do programa do partido em meio às discussões sobre a aliança e a escolha do presidenciável tucano para a disputa pela Presidência da República no ano que vem.

“Essa autocrítica precisa ser iniciada dentro do partido, nas instâncias deliberativas, nos diretórios e em fóruns de discussão com a sociedade”, disse o governador na entrevista, realizada em São Paulo na quinta-feira, quando Marconi participou da reunião do Conselho do Movimento Brasil Competitivo (MBC), do qual é membro.

“O PSDB terá várias maneiras de discutir um novo programa, mas eu não sei se o PSDB deveria fazer esse tipo de programa e de autocrítica sem que houvesse um debate. De repente, esse tipo de programa poderia ter sido feito após uma discussão do partido, que seria gravada e poderia ser transformada num programa para ser levado à apreciação da opinião pública”, opinou o goiano sobre o programa do partido que “pede desculpas”à sociedade, bancado pelo presidente interino Tasso Jereissati (CE).

Na entrevista,  o governador analisou ainda os destinos do PSDB e do Brasil a pouco mais de um ano das eleições presidenciais. Foi questionado sobre sua eventual disposição em assumir o comando da legenda e de disputar o Palácio do Planalto em 2018.

“Um partido democrático como o PSDB precisa conviver – e sempre conviveu – com diferentes opiniões em relação a diversos temas. O PSDB foi o principal fiador do impeachment da presidente Dilma Rousseff (PT). Além disso, também assumiu responsabilidades em relação ao país”, acrescentou.

Marconi afirmou que o partido “acertou com o presidente Temer uma agenda voltada para a retomada do crescimento econômico e para outras reformas” e que “esse foi o grande compromisso que o PSDB fez com a nação ao apoiar o governo de transição do presidente Temer”.

“Todo esse contexto precisa ser analisado. No caso da denúncia, muitos do PSDB concluíram que era necessário continuar apoiando a agenda de reformas. Outros acharam que a iniciativa que requeria autorização para investigar o presidente era importante”, explicou.

 

Deixe um comentário

Passei a vida inteira votando nesse partido, hoje estou enojado pois o psdb juntou se com o pmdb e apoiou o partido da corrupicao,ajudando ao temer a permanecer no cargo , hoje nao voto nem pra sindico de predio, isso sem falar em Aécio Neves que é uma vergonha, votei nele duas vezes e estou arrependido
um partido que apoia um presidente que compra voto com dinheiro público para se
Manter no puder também na mesma podridão.

wpDiscuz