MP denuncia Paulo Borges e Tiãozinho Porto por improbidade administrativa

Segundo denúncia, ex-secretário montou esquema junto com servidora municipal e usou sua influência para angariar votos para parlamentar do PROS

Atual e ex-vereador teriam usado posição de Paulo como secretário do ex-prefeito Paulo Garcia (PT) para induzir professores de colégio a votarem em Tiãozinho | Fotos: Fernando Leite/Jornal Opção e Alberto Maia/ Câmara de Vereadores

A promotora Fabiana Lemes, do Ministério Público do Estado de Goiás (MP-GO), denunciou o ex-vereador Paulo Borges (PR); o atual vereador Sebastião Porto Filho, conhecido como Tiãozinho Porto (Pros); e a servidora municipal Jeanne Batista por improbidade administrativa. Segundo a ação, os três se aproveitaram da influência de Borges para conseguir votos nas eleições municipais de 2016.

De acordo com o MP-GO, o esquema foi montado enquanto Paulo Borges ainda tinha mandato e ocupava a Secretaria Municipal de Desenvolvimento Econômico, Trabalho, Ciência e Tecnologia (Sedetec). Entre outras atribuições, o órgão é responsável por coordenar e fiscalizar cursos técnicos para pessoas de baixa renda que eram oferecidos por empresas de telefonia na Faculdade Delta.

Com o auxílio de Jeanne, que era coordenadora dos cursos e responsável por selecionar alunos e avaliar professores, ele teria começado, já no período pré-campanha eleitoral, enquanto ainda pretendia concorrer à reeleição, a pedir o apoio dos professores da faculdade. Os dois tentavam induzir os docentes a apoiarem o cargo porque ele, como secretário e vereador, seria capaz de manter a oferta de cursos e, como consequência, os empregos deles.

Nas reuniões que eles começaram a fazer com os professores, a dupla pedia que os professores conseguissem, cada um, mais 50 apoiadores para a campanha, chegando inclusive a preencher um documento batizado de “Ficha do Aluno”, que incluía os dados eleitorais deles, e vender rifas de R$ 20 para angariar recursos para a campanha.

Só que Paulo Borges acabou sendo alvo de polêmica ao ser acusado de negar socorro a motociclista que foi atropelado e morto pelo seu motorista e desistiu de ser candidato. Foi aí, segundo a ação, que Tiãozinho entrou no esquema, angariando os votos que seriam de Paulo e comparecendo às reuniões com os professores.

O MP-GO fez a denúncia baseando-se em gravações, declarações e documentos apresentados durante a investigação e descobriu ainda que, durante o período eleitoral, o grupo pediu aos professores que adesivassem seus carros e elogiassem Tiãozinho para seus alunos.

Respostas

O Jornal Opção tentou ouvir Paulo Borges, mas não conseguiu retorno. O vereador Tiãozinho Porto informou que ainda não teve acesso ao conteúdo da denúncia e que se pronunciará quando souber exatamente do que está sendo acusado.

Deixe um comentário

wpDiscuz