Ministro da Agricultura critica PF e diz que houve “idiotice” na Operação Carne Fraca

Blairo Maggi afirmou que com as informações técnicas fornecidas pela pasta, as investigações devem seguir outro rumo

Entrevista coletiva com Marcos Galvão, Marcos Pereira, Blairo Maggi e José Levi sobre a operação Carne Fraca | Foto: José Cruz / Agência Brasil

Durante entrevista coletiva no último domingo (19/3), o ministro da Agricultura, Blairo Maggi, criticou a narrativa da Operação Carne Fraca, que foi desencadeada pela Polícia Federal (PF) na sexta-feira (17). De acordo com ele, as investigações devem tomar outro rumo agora que a pasta auxiliará a PF com informações técnicas. As informações são do Estadão.

Segundo Maggi, ficou acertado durante encontro com representantes do setor de carnes do país que o Ministério da Agricultura e a PF atuarão juntos nas investigações. A pasta deverá explicar tecnicamente para os agentes o que é certo ou não de acordo com os regulamentos.

O ministro criticou, ainda, a “narrativa” conduzida pela Polícia Federal. Ele disse que houve “fantasias” e que é uma “idiotice” achar que os produtores do setor colocariam papelão nos embutidos, como as investigações apontam. De acordo com ele, ficou claro nos áudios que os funcionários falavam de embalagens e não de misturar papelão às carnes.

Segundo chefe da pasta, se os técnicos fossem consultados, poderiam esclarecer alguns pontos que foram considerados irregulares mas são permitidos. Como exemplo foi citado o áudio em que um dono de frigorífico comprou carne de cabeça de porco para colocar na linguiça o que, segundo o ministro, é permitido em alguns produtos e percentuais.

“Por que não estávamos presentes para dizer que cabeça de porco pode ser utilizada ou que ácido ascórbico é vitamina C?”, questionou.

De acordo com Maggi, a PF explicou que não pôde consultar os técnicos do ministério porque a pasta também estava sendo investigada.

Deixe um comentário

Idiotice é acobertar uma malandragem dessa seu idiota!!!

wpDiscuz