Bolsonaro vê imigrantes como “ameaça” e chama refugiados de “a escória do mundo”

Em Goiânia, deputado federal afirmou que fim de financiamento de campanha por empresas é um erro, e que imigrantes que chegam ao Brasil são uma ameaça

Deputado Jair Bolsonaro critica situação das Forças Armadas no Brasil | Foto: Renan Accioly / Jornal Opção

Deputado Jair Bolsonaro critica situação das Forças Armadas no Brasil | Foto: Renan Accioly / Jornal Opção

A passagem do deputado federal Jair Bolsonaro (PP-RJ) por Goiânia foi rodeada de polêmicas. Além de dizer que espera que a presidente Dilma Rousseff saia do poder, mesmo em decorrência de “enfarte ou por câncer”, o parlamentar também criticou o estado de penúria em que se encontram as Forças Armadas.

Segundo ele, a fragilidade dos militares preocupa por estarem enfraquecidos para fazer frente ao que ele classifica como a “escória do mundo”, ou seja, os imigrantes haitianos, senegaleses, bolivianos e os refugiados sírios que chegam ao Brasil.

Oficial do Exército forjado na Academia Militar das Agulhas Negras (Aman), tendo alcançado o posto de capitão antes de tornar deputado federal, Bolsonaro criticou o estado de penúria em que se encontram as Forças Armadas, na qual julgou estar desaparelhada operando com equipamentos canibalizados.

Para o pepista, os recrutas ganham um soldo abaixo do salário mínimo e são dispensados menos de quatro meses de incorporação em decorrência da falta de alimentos nos quarteis. “O filho do pobre que vai prestar o serviço militar obrigatório vai para casa com fome”, diz.

Polêmico, o parlamentar diz que o enfraquecimento dos militares é preocupante à soberania nacional, e que os imigrantes senegaleses, haitianos, bolivianos e os refugiados sírios que chegam ao Brasil seriam uma ameaça à ordem pública:

“Não sei qual é a adesão dos comandantes, mas, caso venham reduzir o efetivo (das Forças Armadas) é menos gente nas ruas para fazer frente aos marginais do MST, dos haitianos, senegaleses, bolivianos e tudo que é escória do mundo que, agora, está chegando os sírios também. A escória do mundo está chegando ao Brasil como nós não tivéssemos problema demais para resolver.”

Mais: “Assim como a luta armada começou em 1966, eles foram derrotados porque não estavam bem aparelhados. Agora eles estão muito melhor preparados do que nós. O que é pior, a ‘ministra da Defesa Eva Chiavon’ [trata-se de uma ironia, já que o ministro é o ex-governador da Bahia, Jaques Wagner (PT), e Eva Chiavon é secretaria-executiva do Ministério da Defesa, autora do decreto que tiraria poderes dos comandantes militares] sabe tudo a nosso respeito.”

Crise no Brasil
Bolsonaro posa antes da palestra em Goiânia | Foto: Renan Accioly / Jornal Opção

Bolsonaro posa antes da palestra em Goiânia | Foto: Renan Accioly / Jornal Opção

Perguntado se a crise atual no País seria mais política, ética ou econômica, Bolsonaro disse que a turbulência começou com a moral e que foi potencializada pela crise econômica.

Sem papas na língua, o parlamentar afirma que Dilma tem fabricado mentiras, mas que a verdade apareceu. Ele também criticou a política econômica do Planalto em privilegiar acordos comerciais com países de governos de esquerda alinhados com o “bolivarianismo”, em detrimento das economias desenvolvidas da Europa e dos Estados Unidos.

“Um governo que priorizou o comércio com um País aqui da América do Sul voltado para esquerda, poderíamos esperar o que? Estamos no lado mais pobre do mundo, se quisermos fazer negócios com a Europa ou América do Norte temos que pedir benção ao Mercosul.”

Ouça a íntegra da entrevista aqui.