23/07/13
Polêmica
Para Kid Neto, dizer que Joaquim Barbosa age como preto é “uma citação levemente infeliz”

Ketllyn Fernandes

“Apenas uma citação levemente infeliz”. Assim justificou o peemedebista goiano Kid Neto uma publicação de teor racista feita no Twitter nesta segunda-feira (23/7) em que chama o presidente do Supremo Tribunal Federal (STF) de “preto”.

A declaração se deve ao fato de o ministro Joaquim Barbosa, ao cumprimentar o papa Francisco, ter supostamente ignorado a presença da presidente Dilma Rousseff, que estava ao lado do Pontífice. Acontece que antes da cerimônia a petista havia se encontrado separadamente com Joaquim Barbosa, logo, não houve o tal "vácuo". 

Depois da repercussão imediata do tuite, Kid Neto tratou de apagá-lo. Mas era tarde demais. Alguém já havia feito um print da tela e eternizado o comentário na web.

Ao Opção Online, Kid Neto, ex-secretário-geral do PMDB goiano, disse não ser racista e que não tem nada contra o ministro Joaquim Barbosa. Mesmo assim pediu que não fosse publicado nada a respeito.

Presente na Constituição Federal, que garante igualdade a todos e veta qualquer tipo de discriminação em terras brasileiras, o racismo é previsto como crime pela Lei Federal nº 7.716, de 5 de janeiro de 1989, que em seu artigo 20 diz:  "Praticar, induzir ou incitar a discriminação ou preconceito de raça, cor, etnia, religião ou procedência nacional pode resultar em pena de reclusão de um a três anos e multa". 

Notícia Relacionada: Liderança do PMDB goiano, Kid Neto faz declaração racista contra Joaquim Barbosa