06/03/12
Senado
"Minha vida sempre foi um livro aberto e continuará sendo”, afirma Demóstenes Torres
Senador se pronuncia a respeito da relação com o empresário Carlos Cachoeira

Déborah Gouthier

Sondado pela imprensa por seu relacionamento próximo com o empresário Carlos Cachoeira, apontado como mandante dos crimes envolvendo os jogos de caça-níqueis, o senador Demóstenes Torres (DEM) se apresentou no Senado em sessão realizada nesta terça-feira, 6, para prestar esclarecimentos.

No discurso, iniciado pouco depois das 16h, ele reafirmou que mantinha relações de amizade com Cachoeira, assim como vários outros nomes da sociedade goiana que, nem por isso, tinham alguma relação com os crimes cometidos pelo empresário. Sobre um presente de alto valor que ele recebeu de Cachoeira em seu casamento, o senador ressaltou que, como regra de educação, não se recusa ou questiona valor do que lhe foi dado.

Demóstenes discursou com tranquilidade e afirmou que, mesmo não tendo nenhuma relação com os crimes em questão, se dispõe integralmente para qualquer investigação, já que não tem nada que possa incriminá-lo ou denegrir a carreira que construiu durante anos.

O discurso de esclarecimento do democrata foi seguido por manifestações de apoio de diversos integrantes da casa. Mais de 30 senadores, tanto da oposição quanto aliados, se declararam solidários e confirmaram a credibilidade e respeito a Demóstenes. Entre os nomes que se pronunciaram estavam Eduardo Suplicy (PT), Jarbas Vasconcelos (PMDB), Aécio Neves (PSDB), Alfredo Nascimento (PR), Paulo Paim (PT) e Pedro Taques (PDT).

A atitude de Demóstenes ao se apresentar abertamente à Casa foi o principal motivo dos elogios dos colegas, além do seu histórico de conduta na vida pública. O senador Pedro Simon (PMDB) chegou a se referir a ele como “uma das pessoas mais competentes e que atuou com mais extraordinária bravura em sua vida pública”. O apoio de integrantes de diversas siglas foi reforçado na fala de Cristovam Buarque (PDT), que declarou que todos sabem que Demóstenes “não é apenas um homem de poder, mas um homem do bem”.