15/10/12
Cofres Públicos
Custos com a Copa das Confederações sobe em R$ 300 milhões
Tendo como março o prazo máximo para a conclusão dos estádios para a realização do torneio, cidades-sede querem jogar a conta para o governo federal

Marcos Nunes Carreiro

Muitas dúvidas rondam a organização da Copa do Mundo no Brasil em 2014 e grande parte delas deve ser sanada no evento anterior: a Copa das Confederações 2013. É ele que irá definir se o país conseguirá suprir a demanda necessária para cumprir com as responsabilidades do maior evento futebolístico mundial. Contudo, já há informações de que o orçamento para a Copa das Confederações foi aumentado em até R$ 300 milhões e as sedes pretendem repassar o investimento total para o governo federal.

A informação é da coluna Painel FC, assinada por Bernardo Itri no jornal Folha de São Paulo. O artigo afirma que “as seis sedes do torneio [Brasília, Rio de Janeiro, Fortaleza, Belo Horizonte e Salvador e, talvez, Recife] receberam do (COL) Comitê Organizador Local a lista de como devem ser as estruturas provisórias no entorno dos estádios e estimam que o custo para a compra dos materiais, que inclui de detector de metais a gerador, pode chegar a R$ 50 milhões para cada cidade”.

Assim, uma reunião em Brasília amanhã foi marcada em que deverá ser tentado empurrar a conta para o governo federal, embora, teoricamente, a responsabilidade seja de cada sede. No próximo dia 19, a Fifa vai anunciar em São Paulo as quatro categorias de preços para o torneio, que deve ficar em no mínimo US$ 25 (R$ 50).