22/10/13
“Imenso Constrangimento”
Ao sancionar MP do Mais Médicos, Dilma pede desculpas em nome do país a cubano vaiado
Ministro do Saúde dedicou parte de seu discurso a rebater críticas de o programa tem caráter eleitoreiro
Roberto Stuckert Filho/PR

Ketllyn Fernandes

A Medida Provisória 621, que institui o Programa Mais Médicos, foi sancionada nesta terça-feira (22/10) pela presidente Dilma Rousseff (PT). Durante a solenidade do ato a petista aproveitou para homenagear o médico cubano vaiado ao chegar ao Brasil em agosto, cujo momento, registrado em fotografia, repercutiu nas redes sociais e recebeu até um meme que remeteu o caso ao ocorrido há 54 anos em Little Rock, Estados Unidos –– o episódio em que uma jovem branca vaia uma estudante negra que seguia para o seu primeiro dia de aula na Central High School, destinada até então somente a “bem nascidos”.

Depois de afirmar que sentia “imenso constrangimento”, Dilma pediu desculpas a ele em nome de todos os brasileiros. “Eu queria cumprimentar cada um dos médicos e das médicas, porque eles representam muito bem a grande nação latino-americana", disse em seguida.

Em seu discurso, o ministro da Saúde, Alexandre Padilha, rebateu as críticas feitas ao programa no que se refere ao sentido eleitoreiro, frisando que tal concepção só pode vir daqueles que têm fácil acesso à saúde no país, ou seja, os bem favorecidos. A acusação quanto ao caráter eleitoreiro do Mais Médicos foi feira por congressistas durante o trâmite da MP na Câmara e no Senado.

O Mais Médicos

O programa do governo federal foi lançado em 8 de julho pela presidente Dilma Rousseff. A intenção é levar mais profissionais a regiões carentes do Brasil, especialmente nos municípios do interior. Os incentivos são uma bolsa de R$ 10 mil, ajuda de custo e especialização em atenção básica. O período previsto de atuação no projeto é de três anos.

O deslocamento em território nacional será pago pelo governo apenas quando o profissional for encaminhado para trabalhar em uma unidade federativa diferente daquela onde mora atualmente. Uma portaria do Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão estabelece que, no máximo, dois dependentes terão direito a ter o deslocamento custeado pelo governo, entre cônjuges, companheiros, filhos, enteados ou menores sob guarda do profissional.

No final do mês de agosto 644 profissionais que vão atuar na primeira fase do Mais Médicos desembarcaram em oito capitais brasileiras. Para Goiás, dentre os médicos estrangeiros, quatro virão da Bolívia para trabalhar no interior e os demais profissionais virão de países como Colômbia, Argentina, El Salvador e Síria. Dos 194 profissionais brasileiros formados no exterior, 14 foram escolhidos para atuar no interior goiano.