Edição 1942 de 23 a 29 de setembro de 2012
Fortiori/Jornal Opção
Paulo Garcia ainda lidera pesquisa com vantagem
Candidato petista continua líder absoluto com 56% dos votos válidos em nova pesquisa e, se a tendência se confirmar, vencerá no dia 7 de outubro sem necessidade de segundo turno

Frederico Vitor

A menos de duas semanas do fim da campanha, os números da pesquisa Fortiori/Jornal Opção, realizada no período de 17 a 20 de setembro (segunda a quarta-feira da semana passada), mais uma vez apontam para vitória em primeiro turno do candidato a reeleição, Paulo Garcia (PT), com 56% dos votos válidos. É o mesmo índice da pesquisa divulgada na semana passada e ainda com larga margem de vantagem sobre o 2º colocado, Jovair Arantes, do PTB, com 16,3%. O candidato da base aliada do governo estadual sofreu queda de 0,9% pontos.

Foram entrevistadas 600 pessoas, em 87 bairros de diferentes regiões da capital. A margem de erro é de quatro pontos para mais ou para menos. Na pesquisa espontânea, Paulo Garcia dispara na frente dos demais, com 36,7%, contra 10,2% de Jovair Arantes e 6,5% de Elias Júnior, do PMN. Em seguida, vem o prefeitável do PSC, Simeyzon Silveira, com 5,5%, à frente de Isaura Lemos, do PCdoB, com apenas 3,0%. O professor Reinaldo Pantaleão, do PSOL, aparece com 1,2%. Indecisos somam 23,2% e quem vota nulo ou em branco, 13,3%.

Foi feita uma checagem de 20% dos questionários, como determinam as normas para esse tipo de levantamento. A pesquisa foi registrada no TRE-GO no dia 18 de setembro de 2012, sob o número de protocolo GO-00324/2012, podendo ser publicada a partir do dia 23 de setembro de 2012.

Paulo Garcia mantêm 30 pontos percentuais de votos válidos a frente de seu principal adversário, o candidato apoiado pelo Palácio das Esmeraldas, Jovair Arantes. Isso demonstra que não houve mudanças na reta final da campanha. A tendência é muito favorável ao candidato do PT, que poderá garantir a permanência no Paço Municipal por mais quatro anos já em primeiro turno. Faltando apenas 12 dias para o pleito, os QGs de campanha tanto de Paulo quanto de Jovair devem estar debruçados sobre pesquisas para encontrar a tática mais acertada para os respectivos candidatos na fase final do processo eleitoral.

Mas deve-se ressaltar a quantidade de indecisos, que ainda é alta. Os que declararam votar em branco e nulo também estão em número elevado. Em uma semana, se observa que Jovair caiu quase um ponto percentual. Mas foi o candidato Elias Júnior quem sofreu a maior queda entre os oito prefeitáveis, com 1,2 pontos percentuais a menos do que na semana passada.

Simeyzon Silveira registrou o inverso, subiu 1,2 pontos. Isaura Lemos também aumentou 1,1 pontos percentuais a mais do que na última pesquisa. Pantaleão é o candidato que mais cresceu, com 1,7 pontos percentuais a mais.

A soma das intenções de voto nos dois candidatos de partidos nanicos — José Netho (PPL) e Rubens Donizzeti do PSTU — não dá um ponto percentual. Isso demonstra falta de receptividade a ambas às candidaturas, principalmente à primeira, que propunha ser um fato novo nessas eleições. O fraco desempenho deve levar a discussão de como candidaturas de poucas estruturas devem se organizar para descontar o desequilíbrio diante de outras máquinas eleitorais que gastam milhões nas campanhas. Em outras épocas, a criatividade e o diálogo franco compensavam a diferença.

Estimulada

Na pesquisa estimulada houve pequenas alterações nos percentuais. Paulo Garcia bate todos os demais com 42,8%, entretanto com 0,7 ponto a menos do que na pesquisa divulgada na semana passada. Contudo, o petista está à frente com folga do 2ºcolocado, Jovair Arantes. O petebista está com 12,5%, portanto uma diferença de 30,3 pontos para o primeiro colocado. O candidato do PMN, Elias Júnior apresenta 8,5 pontos, um ponto a menos do que no percentual da primeira pesquisa.

Simeyzon Silveira, apoiado pelo chamado novo bloco político de Goiás, que aglutina o seu partido, o PSC, que é há tempos é patrocinado por Vanderlan Cardoso, pelo DEM do deputado federal Ronaldo Caiado e pelo PRP de Jorcelino Braga, está com 6,3%. Na semana passada o candidato estava com 5,5% — uma elevação de 0,8 ponto. Pode ser um efeito da mudança de linguagem e postura do candidato em seu programa de TV. O formato está mais ostensivo. Mesmo com chances remotas de vitória, o prefeitável está com a campanha nas ruas em pleno vapor.

Isaura Lemos nessa semana está com 4%. A exemplo de Simeyzon, também apresentou aumento, mas de 0,8 ponto a mais do que na primeira pesquisa. Candidato do PSOL, Pantaleão teve aumento de apenas 0,4 ponto, registrando 1,7 ponto na estimulada. Rubens Donizzeti e José Netho registraram mais uma vez percentuais que não somam 1%. Em linhas gerais a pesquisa estimulada aponta a mesma tendência dos votos válidos, ou seja, vitória de Paulo Garcia no primeiro turno.

Análise
Cenário não oscila e situação é mais do que favorável a Paulo Garcia

No início da campanha, Paulo Garcia liderava, mas não com a ampla vantagem que exibe hoje. Jovair Arantes vislumbrava uma subida no decorrer da campanha, estimulado pelo recurso financeiro e pela estrutura, de que dispunha de forma abundante. Seu vice, Francisco Júnior (PSD), ensaiava ser um grande puxador de votos, por não sofrer desgastes. Pelo menos não teve o nome envolvido em escândalos recentes que abalaram a base aliada ao governador Marconi Perillo. Ligado ao movimento da Renovação Carismática Católica, ele iniciou a vida pública no PMDB de Iris Rezende.

Mas, pelo que se pode constatar, o efeito Francisco Júnior vem se transformando em fiasco. Corre nos bastidores que quadros importantes do PSD estariam entregando os pontos e jogando a toalha nesta reta final de campanha. O próprio governador Marconi Perillo viajou aos Estados Unidos, onde passará dez dias, retornando somente às vésperas do pleito. Jovair, tentando se esquivar dos efeitos negativos do escândalo Cachoeira, que o poderia atrapalhar, tentou atrelar sua imagem à base de sustentação da presidente Dilma Rousseff. Em seu programa de rádio e TV, de tanto falar em trazer recursos federais para Goiás, transparece ser ele o candidato do partido da presidente.

No desenrolar da campanha o petebista notou também que seria necessário atacar Paulo Garcia nos debates e no horário eleitoral gratuito. A tática foi orientado pelos marqueteiros e adotada pelo candidato. Porém, o efeito foi contrário. Bater em Paulo foi o mesmo do que criticar Iris, algo não muito aconselhável. Iris entregou a prefeitura com mais de 70% de aprovação. Porém já era tarde e Jovair teve de correr atrás do prejuízo agora no final da corrida eleitoral. A campanha, que parecia ser mais ostensiva nas ruas, com cabos eleitorais tremulando bandeiras, carros de som e adesivaços de veículos, parece ter minguado. 

Basta passar em frente ao comitê de Jovair, localizado na Rua 9, no Setor Oeste, para notar que não há mais o movimento frenético como anteriormente, no início da campanha. Erra o candidato que acha que o eleitor não está atento às contradições e à retórica ultrapassada. Nem sempre, também, campanhas recheadas de dinheiro são sinônimo de êxito eleitoral. Até porque este é um pleito atípico. As bocas miúdas da política reclamam dos parcos recursos para tocar o barco rumo às urnas.
 
Enquanto isso, Paulo Garcia voa em céu de brigadeiro e poderá se tornar o segundo a vencer uma eleição em Goiânia já em primeiro turno — o primeiro foi Iris Rezende, concorrendo à reeleição em 2008. Seguindo a boa administração do antecessor, o petista imprimiu estilo próprio de governar e manteve a energia de Iris na gestão municipal. Paulo consegue passar seriedade ao eleitorado e credibilidade é a palavra certa para descrever o que procura, hoje, o eleitor. Aos poucos, a figura de salvador da Pátria é deixada de lado para ser substituída pelo gestor, isto é, o homem público que busca resultados práticos.

O que se pode notar nos programas de rádio e televisão é a ausência de projetos novos. O diferente foi o mote de Paulo Garcia — sustentabilidade — considerado ousado e até mesmo perigoso por quadros do próprio PT. Boa parte dos candidatos estaria mesmo é se promovendo para 2014. Inegável isso ao vereador e suplente de deputado Simeyzon Silveira, que está prestes a herdar uma vaga no Legislativo estadual — caso o deputado Misael Oliveira do PDT ganhe em Senador Canedo. Ele estaria já preparando seu nome para 2014, para uma possível reeleição.

Na mesma situação estariam Elias Júnior e Isaura Lemos, ambos deputados estaduais. O primeiro foi forjado no jornalismo popularesco levado ao ar pela TV Record e conseguiu se eleger em 2010 com apoio do hoje deputado federal Armando Vergílio (PSD), na época ainda no PMN. Estaria ele apostando no mesmo fenômeno que ocorre com Celso Russomano em São Paulo, o de um político surgido na TV como defensor da nova classe média? Somente as urnas poderão responder.

Nesse contexto, a pesquisa é generosa ao parlamentar do PMN. Ele está apenas 5,2 pontos atrás de Jovair Arantes, de acordo com a pesquisa Fortiori. Lembrando que a margem de erro máxima é de quatro pontos para mais ou para menos.

Isaura Lemos chegou a ensaiar uma disputa com Jovair pelo segundo turno contra Paulo Garcia. Entretanto seu nome, no decorrer da campanha, foi se enfraquecendo e não apresentou grandes progressos. Ela está  atrás de Simeyzon Silveira nas pesquisas. Por sua vez, o candidato do PSC só neste momento esboçou uma reação e tem demonstrado força tardiamente. 

A pesquisa ainda demonstra fragilidade das esquerdas. Pantaleão, Rubens Donizetti e José Netho poderiam ter feito campanhas melhores dentro das possibilidades e limitações de cada candidatura. O prefeitável do PSOL, pelo menos, demonstra sobrevida e parece que poderá conquistar votos consideráveis que só se confirmarão no dia 7 de outubro. O candidato do PPL não surpreendeu e naufragou com um discurso além da realidade de Goiânia. Pelo menos Rubens Donizzeti e seu partido declaram abertamente que fazem campanha de denúncia e de demarcação de posição, sem pretensões ilusórias nas urnas.