Edição 1868 de 24 a 30 de abril de 2011
Micro e Pequenas Empresas
Negócios à vista na Copa de 2014
Turismo goiano tem muito a ganhar com o campeonato mundial de futebol, pela proximidade com Brasília, uma das cidades-sede; trabalho do Sebrae na qualificação de pessoal é importante
Leopoldo Moreira, presidente do Conselho Temático da Micro e Pequena
Empresa do Sistema Fieg: “Temos de nos preparar desde já”

Cezar Santos

Os pequenos e micros empreendedores goianos têm reais possibilidades de venderam produtos e serviços na esteira de negócios que serão gerados com a Copa de 2014. Principalmente com o turismo, por causa da proximidade de Brasília. O presidente da GoiásTurismo, Aparecido Sparapani, diz que nossas pequenas empresas devem se preparar desde já para receber os milhares de turistas que estarão em Brasília para a Copa de 2014.

Da parte do governo estadual, Sparapani lembra está sendo feito um trabalho para que cidades goianas possam receber delegações que vão jogar em Brasília. “Principalmente em Goiânia, temos ótimos centros de treinamentos dos nossos times, como o do Goiás, do Vila Nova, do Atlético. Então se recebermos delegações aqui, vão se abrir oportunidades de negócios para nossas empresas.” (ver quadro)

Além disso, o presidente da GoiásTurismo lembra que o fluxo de turistas em Brasília vai impactar Goiás diretamente. “Os turistas que vierem para Brasília, que será uma das cidades-sedes do campeonato, poderão visitar nossas cidades turísticas, como Pirenópolis, Alto Paraíso, cidade de Goiás, Rio Quente, Caldas Novas e as cidades às margens do Rio Araguaia, entre outras. Temos de nos preparar desde já para recebê-los.”

Opinião idêntica tem o presidente do Conselho Temático da Micro e Pequena Empresa do Sistema Federação das Indústrias do Estado de Goiás (Fieg), Leopoldo Moreira Neto. Ele diz que a copa será uma excelente oportunidade para nossas micro e pequenas empresas prestarem serviços, principalmente no setor de transporte e passeios turísticos. “É importantes que os empreendedores busquem se qualificar para prestar um bom trabalho. O Sebrae Goiás presta ótimo trabalho e eles devem buscar informações o quanto antes.” Leopoldo Moreira lembra que o turista quer soluções e, por isso, os prestadores de serviços têm de estar aptos. “Turista bem-atendido sempre volta.”

O Sebrae Goiás desenvolve uma série de ações de capacitação do trade turístico receptivo de Caldas, Pirenópolis, Alto Paraíso e Trindade. Além disso, o Sebrae Goiás tem parceria de serviços e atuações com o Sebrae do Distrito Federal, pelo fato deste último estar em cidade sede.

Quem sabe

E por falar em governo estadual, a Capital goiana não foi escolhida para sediar jogos da Copa do Mundo de 2014, mas ainda há possibilidade de ocorrer uma reviravolta nesse jogo. No final de março, o Estádio Serra Dourada foi confirmado para sediar jogo amistoso entre Brasil e Holanda, a ser realizado em junho. Este amistoso faz parte da preparação final da equipe brasileira para a disputa da Copa América, que será realizada em julho, na Argentina.

O anúncio oficial do amistoso foi realizado em fevereiro pelo governador Marconi Perillo juntamente com o presidente da Confederação Brasileira de Futebol (CBF), Ricardo Teixeira, em Brasília. Ao assinar a liberação de recursos para reforma do estádio, o governador lembrou que o governo do Estado trabalha com a ideia de que, se houver desistência de alguma das cidades-sede para a Copa do Mundo de 2014 Goiânia estará preparada para sediar os jogo. “Desde já estamos trabalhando arduamente para isso. Se, por ventura, alguma cidade escolhida para sediar jogos da Copa do Mundo não atender aos critérios da CBF, Goiânia está prontíssima para ser sede e queremos também receber a Copa das Confederações.”




















Mapa do Sebrae é bola na marca do pênalti

Construção civil, tecnologia da informação, turismo e produção associada ao turismo (gastronomia, artesanato, etc). Esses quatro setores da economia oferecem 448 oportunidades de negócios para pequenas empresas nas 12 cidades-sede da Copa do Mundo de 2014. Os dados fazem parte do ‘Mapa de Oportunidades para as Micro e Pequenas Empresas nas Cidades-Sede’, divulgado pelo Sebrae no final de março, no Rio de Janeiro.

O mapeamento é uma das ações previstas no Programa Sebrae na Copa de 2014, que receberá, até 2013, investimentos de R$ 79,3 milhões. Os recursos serão aplicados em programas de consultoria, inovação e acesso a mercados, como o Sebrae Mais, Sebraetec, Agentes Locais de Inovação (ALI) e Centrais de Negócios. Para atender à demanda, novas soluções também poderão ser criadas.

De acordo com o mapeamento do Sebrae, encomendado à Fundação Getúlio Vargas (FGV), haverá possibilidades de negócios para pequenos empreendimentos antes, durante e após o evento esportivo. Alguns exemplos são as agências de viagens emissivas e de receptivo, fornecedores de uniformes, empresas de terraplenagem, restaurantes e outros estabelecimentos de alimentação e bebidas, comércio de reparação e manutenção de equipamentos de comunicação, empresas de Internet e infraestrutura de TI, produção de artesanato, design de produtos e embalagens, fornecedores de material e mobiliário de escritório, entre outras.

As 448 oportunidades de negócios foram extraídas de uma lista de atividades nas quais essas empresas podem empreender com grande chance de sucesso. Esses segmentos incluem as compras governamentais (com as garantias previstas na Lei Geral das Micro e Pequenas Empresas) e os negócios diretamente com o mercado — que representam a maior parte das oportunidades. Ainda no primeiro semestre de 2011, serão mapeados mais cinco setores: agronegócio, madeira e móveis, têxtil e confecção, comércio varejista e serviços.

Além da realização de negócios, o Programa Sebrae na Copa 2014 aproveita o impulso do evento esportivo para trabalhar no desenvolvimento das micro e pequenas empresas. “A ideia é permitir que elas ocupem um espaço maior na economia, não apenas no período até 2014, mas no futuro. Atualmente, 99% das empresas brasileiras são micro ou pequenas que respondem por 20% do Produto Interno Bruto. Em países como a Alemanha, a participação no PIB chega a 40%”, afirma o presidente nacional do Sebrae, Luiz Barretto.

Neste primeiro momento, o levantamento está sendo feito em âmbito nacional. A segunda etapa será a identificação das atividades mais promissoras em cada estado que sedia a Copa, levando em consideração as aptidões locais. Estão em andamento 14 mapeamentos locais, sendo 9 no setor da construção civil - no Rio de Janeiro, Rio Grande do Norte, Amazonas, Mato Grosso, Distrito Federal, Ceará e Paraná.

Apoio a projeto de orgânicos

Desde fevereiro, a Caravana Copa Orgânica Brasil 2014 está realizando uma série de palestras pelo País sobre o mercado de alimentos orgânicos nas 12 cidades-sede da Copa, e em 44 cidades vizinhas. O projeto é do Instituto BioSistêmico e conta com apoio do Sebrae e outros parceiros. Três dessas palestras foram realizadas em cidades goianas, no Entorno de Brasília: Luziânia, Formosa e Cristalina. Os três eventos ficaram sob a responsabilidade da Regional Sebrae Entorno do DF.

A agrônoma do Instituto BioSistêmico, Priscila Terrazzan, explica que a caravana é ação convergente com as ações governamentais e com as propostas da Copa de 2014. Segundo ela, o governo pretende fazer uma ‘copa orgânica’ e com isso vão surgir oportunidades para os cerca de 90 mil produtores orgânicos, a maioria da agricultura familiar.