Edição 1884 de 14 a 20 de agosto de 2011
Minicontos | Wilson Gorj
Flo­res e lá­gri­mas

Sem­pre foi vi­o­len­to. Por qual­quer mo­ti­vo, me es­pan­ca­va. Ago­ra, ve­ja só, até pa­re­ce ou­tro ho­mem. To­da se­ma­na me traz flo­res: de­po­si­ta-as no meu tú­mu­lo e as re­ga com seu re­mor­so.

Ala­van­ca
Ao en­cos­tar-se nu­ma das ár­vo­res da Flo­res­ta Má­gi­ca, sen­tiu o tron­co in­cli­nar-se len­ta­men­te, pro­du­zin­do um ru­í­do se­me­lhan­te ao de uma ala­van­ca há tem­pos em­per­ra­da. Su­bi­ta­men­te, a Ter­ra pa­rou. 

Sub­mer­sa
Do me­do do fo­go, nas­ceu sua atra­ção pe­la água; do des­pre­zo pe­la vi­da, o in­te­res­se pe­la mor­te. Atra­ção e in­te­res­se que ex­pli­cam per­fei­ta­men­te seu afo­ga­men­to su­i­ci­da.

Nem so­nhan­do
So­nha­va que era uma do­més­ti­ca mui­to ata­re­fa­da e in­fe­liz. Acor­dou so­bres­sal­ta­da e, ao mes­mo tem­po, ali­vi­a­da por es­tar de vol­ta à re­a­li­da­de. Do­més­ti­ca, sim. Ata­re­fa­da, sim. Mas in­fe­liz? Não!

Ze­lo­so guar­da­dor 
Os pa­is con­fi­a­vam o me­ni­no à pro­te­ção do an­jo da guar­da. In­fe­liz­men­te, na­que­le dia, o an­jo es­ta­va de fol­ga. O fi­lho, en­tão, foi lhe fa­zer com­pa­nhia.

Di­rei­to
A ter­cei­ra com quem noi­va­va. A exem­plo das ou­tras, es­sa tam­bém era ad­vo­ga­da. Quan­do lhe per­gun­ta­vam se era ob­ses­são, da­va sem­pre a mes­ma res­pos­ta: - Elas fa­zem di­rei­to.

Di­rei­tos
Fos­se em ca­sa, na es­co­la ou na rua, o Es­ta­tu­to do Me­nor o am­pa­ra­va, ora pro­te­gen­do-o de cas­ti­gos mais se­ve­ros, ora ab­sol­ven­do-o de pu­ni­ções le­gais. No pa­ís das im­pu­ni­da­des, ele tam­bém des­fru­ta­va a sua.

De­nun­ci­an­te
Da­que­la mão, ape­nas um de­do era ho­nes­to. De mo­do que, quan­do os ou­tros qua­tro de­ci­di­am fur­tar al­go, ao bom de­do não res­ta­va ou­tra ati­tu­de se­não per­ma­ne­cer em ris­te.

Cir­co elei­to­ral
An­tes de sa­ir, des­fez-se da ma­qui­a­gem. Ati­tu­de des­ne­ces­sá­ria. Ti­ves­se ido a ca­rá­ter, não ha­ve­ria ne­nhum cons­tran­gi­men­to. Na fi­la, to­dos ti­nham mes­mo ca­ra de pa­lha­ço. 

Wil­son Gorj é es­cri­tor.