Edição 1985 de 21 a 27 de julho de 2013
A barafunda kafkiana criada pelo prefeito Juraci Martins

O PSD teme que, acossado pelo Ministério Público e pela Justiça — já foi condenado num processo —, o prefeito de Rio Verde, Juraci Martins, renuncie ao mandato. Juraci não é mal intencionado, não é desonesto, mas, ao menos no segundo mandato, perdeu o controle do timão. Sua embarcação está à deriva.

A confusão é tão grande que, recentemente, Juraci demitiu o secretário de Educação e nomeou a subdelegada da Educação do Estado para substitui-lo. Depois, sob pressão do ex-secretário, que prometia “cantar” alguma coisa para o Ministério Público, exonerou a secretária e renomeou o ex-secretário.

Em seguida, apareceu um vereador e exigiu o cargo para si, ou para algum apaniguado, e Juraci afastou o secretário que havia reconvocado. O leitor está entendendo? Calma. É confuso mesmo. Amanhã ou depois, se Juraci demitir a si próprio, não se escandalize. Será verdade. Mesmo.

Moral da história: o médico e produtor rural Juraci não é mesmo político e perdeu o controle da prefeitura.