Edição 1998 de 20 a 26 de outubro de 2013
Manoel L. Bezerra Rocha
Congresso de procuradores
O procurador e Corregedor da Procuradoria do Estado de Goiás, Walter Rodrigues da Costa, participou do 39º Congresso Nacional dos Procuradores de Estado, realizado em Porto de Galinhas (P). 

Perguntar não ofende — Se o Conselho Nacional de Justiça fosse uma instituição para conceder regalias, eventos festivos e outros benefícios a magistrados será que nossos juízes o detestariam tanto?

Fratrum Opus Divinae — Foram cômicas as declarações de um juiz de Goiás afastado de suas funções pelo CNJ. Segundo o magistrado, o CNJ, nem ninguém, nem mesmo a presidente da República, deve questionar uma decisão judicial. Certamente o pretensioso juiz acredita que ele seja, aqui na Terra, um ungido de Deus para fazer “justiça”. Ainda que algumas de suas decisões sejam duvidosas sob o aspecto moral e jurídico, deve prevalecer o caráter divino com que são prolatadas. Até parece.

Atentado contra as procuradorias de Estado — O procurador do Estado de Goiás e presidente nacional da Associação Nacional dos Procuradores de Estado (Anape), durante o Congresso da entidade em Porto de Galinhas, criticou duramente a tentativa de alguns governantes e até de membros do Judiciário em enfraquecer as prerrogativas dos procuradores de Estado.