Francisco Silva Araújo
Francisco Silva Araújo
Francisco Araújo atua no segmento de estudo e degustações de vinhos há mais de 10 anos. Membro da Associação Brasileira de Sommelieres, da Wine Spirit Education Trust Níveis 1, 2 e 3 e da ISG International Sommelier Guild. [email protected]

Deve-se guardar a sobra dos vinhos na ou fora da geladeira?

Depois de aberta a garrafa, o vinho pode ficar na geladeira por dois ou três dias e é importante colocá-lo em garrafas menores

Vinho da geladeira 2

Nem sempre consumimos todo o vinho de uma garrafa. Se o vinho for deixado em uma garrafa meio cheia, o ar acelerará sua deterioração. Quanto mais leve for, mais rápido irá se deteriorar. Costumo sublinhar que alguns vinhos agressivamente encorpados podem se beneficiar com um pouco de aeração.

Neste texto falarei de degustação comparativa, já que é principalmente pela comparação de vinhos diferentes que se aprende a respeito deles. Clientes costumam perguntar: “Quando abro uma garrafa de vinho e não bebo tudo, o que devo fazer?” Sempre aconselho a colocar o vinho na geladeira, para que as moléculas sejam “fechadas”. O vinho pode ficar na geladeira por dois ou três dias, embora já tenha recebido muito contato e, portanto, perdido muitas de suas nuances, ou talvez, se tiver sido colocado em um jarro chamado de decanto, pode ter perdido muito mais nuances, até porque a área de contato é maior. Também aconselho a colocar o vinho que sobrou em garrafas menores, de 187 e 375 ml. Elas são boas devido a área de contato ser menor.

vinho na geladeira 3

Todas essas dicas são eficientes mais para vinhos do dia a dia que são mais jovens. Não aconselho o mesmo para um grande vinho, pois, nesta categoria, quando é aberto, deve ser consumido todo. Por quê? Porque raramente se abre um grande vinho com menos de 5 anos. Quando se abre um grande vinho jovem, dos que tem estrutura para uma boa longevidade, ele vai estar muito fechado em todas as suas nuances, a ponto de às vezes não agradar a quem está bebendo. A pessoa pode até falar mal do vinho. Entretanto, o vinho está muito jovem e ainda imaturo com seus aromas muito fechados, acidez muito agressiva, os taninos duros.

Evolução do envelhecimento

Vinho envelhecido 1

Quando você tem em sua adega duas ou mais garrafas do mesmo vinho e a mesma safra, é sempre bom abrir um mais jovem e depois de um tempo fazer o mesmo com o outro vinho, assim você poderá acompanhar a evolução de envelhecimento e ver se o vinho está passando por uma progressão ou regressão.

Uma boa orientação é decantar um vinho vigoroso que não tenha mais de vinte anos quando houver sedimentos que precisem ser removidos ou se quiser exibir um belo decantador, de outra forma não se desespere com todo o processo.

Quando a degustação é puro entretenimento, decanto os vinhos com sedimentos instantes antes de os convidados chegarem por motivos práticos, apesar de que, se os vinhos forem muito velhos e delicados, com mais de vinte anos, por experiência própria, só decanto na hora de servir. Por via das dúvidas, por não saber como se encontra o vinho na garrafa, prefiro servir da garrafa para a taça porque com o giro que dou na taça as moléculas se desprendem então a bebida se torna mais macia, palatável. Se não decanto um vinho desse nível, é necessário que ele fique em pé para que os sedimentos se alojem no fundo da garrafa, assim, quando for servido, as impurezas não cairão na taça.

As impurezas de um grande vinho vêm do vinho não filtrado e centrifugado, o que é benéfico para o vinho, pois traz estrutura, complexidade e elegância. É sempre bom registrar os momentos de degustação, escrever suas impressões sobre os vinhos degustados, tentar sempre montar seu vocabulário.

Algumas regras básicas para degustar

  • Para apreciar a cor, você precisa de uma superfície branca.
  • Em uma degustação formal, você não será bem-visto se fumar ou estiver recendendo a perfume ou cheiro forte.
  • Em alguns lugares será mais fácil degustar sem a distração de outros cheiros. Em ambientes mais sociais, você terá de decidir se deve sacrificar.

Frases

Você não precisa ser rico para desfrutar de bons vinhos, precisa ser inteligente.”

Steven Spurrier, crítico de vinhos.

A variedade de vinhos ao redor do mundo é tão grande que você nunca vai parar de aprender e de se divertir.”

Steven Spurrier, crítico de vinhos.