Francisco Silva Araújo
Francisco Silva Araújo
Francisco Araújo atua no segmento de estudo e degustações de vinhos há mais de 10 anos. Membro da Associação Brasileira de Sommelieres, da Wine Spirit Education Trust Níveis 1, 2 e 3 e da ISG International Sommelier Guild. [email protected]

Consumidor deve devolver o vinho quando estiver “vinagrado” ou “rolhado”

Por vezes, os aromas que o vinho exala lembram papelão ou pano de chão molhado. O especialista identifica o problema por meio da rolha. Em geral, o vinho está muito comprometido

 

Você quer começar o ano tomando bons vinhos, champanhes e grandes espumantes do Brasil? Saiba, desde já, que há espumantes excelentes no país, às vezes têm qualidade superior aos champanhes.

No Brasil há várias casas maravilhosas de espumantes, por exemplo: Espumante Máximo Boschi Brut método tradizionale serra gaúcha, Espumante cave pericó champenoise brut São Joaquim Santa Catarina, Espumante Maison Forestier Gran Legado Brut Champenoise Vale dos Vinhedos, Casa Valduga 130 Brut Champenoise Vale dos Vinhedos, Espumante Cave Geisse Brut, Champenoise Pinto Bandeira. Todas as casas mencionadas possuem a linha completa: moscatel, demi sec, brut e rose.

Se ao abrir seus vinhos, champanhes ou espumantes para seus convidados e a rolha quebrar não se desespere, isso acontece até mesmo com o melhor sommelier do mundo. Quando compramos os vinhos ou ganhamos, não temos como abri-los para verificar se a rolha está ressecada ou deteriorada ou se está em perfeito estado, por isso é comum a rolha quebrar ao abrir.

Vinho vinagrado

O que vale mesmo é o estado do vinho em perfeição; em algumas situações podemos devolver o vinho quando ele está deteriorado — vinagrado, como a maioria conhece — ou quando a rolha está bouchonné. Na tradução literal, é um vinho rolhado. Mas o que significa isso?

Os aromas que o vinho exala lembram papelão molhado, mofo, às vezes pano de chão molhado. Para um especialista esse caso é logo identificado pela rolha, quando isso acontece geralmente o vinho está muito comprometido.

Bouchonné ou doença da rolha é um vinho que foi infectado por um composto tricloroanisol, conhecido como TCA. Uma substância química que surge da presença de fungos na rolha de cortiça. Tal elemento ofusca os verdadeiros aromas do fermentado, dando-lhe um cheiro terrível de mofo.

O TCA só pode ser identificado depois de o vinho ser aberto. Em estágios iniciais, o aroma pode não ser reconhecido, causando certa controvérsia entre os especialistas. No entanto, quando consumido, o fermentado perde o sabor da fruta e desenvolve gostos que vão do mofado ao avinagrado, tornando-se intragável. São nessas situações que devemos devolver um vinho, só que é preciso ter conhecimento; não podemos fazer qualquer julgamento — até porque não sabemos em que situação as rolhas foram manuseadas. O que nós esperamos é que tenham sido manuseadas da melhor forma possível. Só que tanto as rolhas como os vinhos estão sujeitos a vários fatores, uma vez que os dois são produtos da natureza: o vinho é da uva que vem da videira e a rolha vem de uma árvore chamada sobreiro, é extraída da sua casca.

Hoje há vários mecanismos no mercado para salvar um vinho de fragmentações, só que quem for abrir um vinho tem que ter uma boa ferramenta, um saca-rolha de boa qualidade e ter habilidade, pois a rolha não é extraída com facilidade.