Frederico Vitor
Frederico Vitor

Expansão no aterro sanitário garantirá mais cinco anos de funcionamento

Redução do nível de água do Ribeirão Piancó foi pauta de reunião

Redução do nível de água do Ribeirão Piancó foi pauta de reunião

Anápolis está dentro do porcentual de 39,5% de cidades brasileiras que possuem aterros sanitários, estando em conformidade com a Lei Nacional de Resíduos Sólidos. A conclusão dos trabalhos, programada para o fim deste mês, vai garantir o funcionamento do local pelos próximos cinco anos. A obra de ampliação do aterro sanitário municipal compreende a construção de uma trincheira ou célula com capacidade para receber 480 mil metros cúbicos de resíduos residenciais.

De acordo com o secretário municipal de Meio Ambiente, Ceser Donisete (PT), quando se trata da destinação adequada de resíduos sólidos, Anápolis tem servido de modelo para outros municípios. Segundo ele, a cidade é referência na área, sendo uma das poucas cidades licenciadas pelos órgãos competentes com o trato lixo. “Estamos com nosso Plano de Resíduos Sólidos em discussão e concretização e temos ações consolidadas como a coleta seletiva, na qual ampliamos para mais de 150 bairros”, ressaltou.

O prefeito João Gomes (PT) afirma que uma das prioridades da atual administração municipal é implementar uma política de governo de redução dos impactos ambientais causados pela destinação inadequada de resíduos sólidos. Entre elas a consolidação do programa de coleta seletiva, apoio às cooperativas e associações de catadores e a proibição de entrada de catadores dentro dos aterros sanitários.

Cooperativas

Nesse sentido, foi realizado trabalho conjunto com participação de representantes de diversas secretarias municipais, Ministério Público, Juizado da Infância e Juventude, Universidade Federal de Goiás (UFG) e representantes da Coope­ra­tiva e dos catadores que atuavam den­tro do aterro sanitário. Esta união de esforços tem o objetivo de realizar a retirada pacífica dos catadores que trabalhavam no aterro, oferecendo-lhes opções para garantir sua subsistência.

“Não há mais catadores dentro do aterro sanitário e todos foram encaminhados ou para a formação de uma nova cooperativa mantida com apoio da Prefeitura que alugou um galpão para seu funcionamento e adquiriu as máquinas necessárias”, diz João Gomes.